|Segunda-feira, 20 agosto 2018

    Recebe o afeto que se encerra

    32
    COMPARTILHECOMPARTILHE

    Olavo Bilac escreveu alguns dos mais belos poemas do cancioneiro do Brasil. Só mesmo um son of a bitch para trocar cancioneiro por songbook, como fazem certos apedeutas, para designar o conjunto da obra poética de alguém que a tenha também musicado, certos de que incrustando palavras e expressões do Inglês em suas falas e textos redimem o estilo pavoroso, marcado por estas e outras deformações.

    Nossa mãe é a língua portuguesa. Substituir certas palavras por neologismos dispensáveis e imprecisos, como neste caso, equivale a vender a mãe a troco mais de nada. E deveria ser tipificado como crime de lesa-língua, por analogia com o de lesa-pátria. Embora às vezes neologismos sejam necessários, sobretudo no âmbito da tecnologia e dos inventos, em geral eles disfarçam a pobreza vocabular do falante ou escrevente.

    O título desta coluna é um verso de Olavo Bilac, autor do Hino à Bandeira Nacional, que tem música de Francisco Braga. O jornalista e romancista Paulo Francis inspirou-se neste verso e chamou O Afeto Que se Encerra o livro de memórias que publicou em 1980, aos cinquenta anos.

    Por ter inventado o serviço militar e o livro didático e certamente por escrever melhor do que eles, o poeta Olavo Bilac foi escolhido inimigo de diversos modernistas e de outros autoproclamados vanguardistas. E uma geração inteira tem deixado de prestar atenção à beleza de versos como estes: “Sobre a imensa nação brasileira,/ Nos momentos de festa ou de dor,/ Paira sempre sagrada bandeira,/ Pavilhão da justiça e do amor!”.

    Não é, pois, apenas o nosso Hino Nacional que é bonito, equiparado em beleza aos dos EUA, da Bósnia, do México e do Chile, mas também o nosso Hino à Bandeira Nacional.

    Em vez de apelar a guerras, batalhas sangrentas e a outras memoráveis revoluções, sebaças, motins, arruaças ou seja lá que nome tenham, o autor fala em “pendão da esperança”, “nobre presença”, “céu de puríssimo anil”, “verdura sem par destas matas” e “esplendor do Cruzeiro do Sul”.

    E depois de estender o tapete ecológico de palavras repletas de sereno bem-estar, diz que “contemplando o teu vulto sagrado,/ Compreendemos o nosso dever:/ E o Brasil por seus filhos amado,/ Poderoso e feliz há-de-ser”.

    Convenhamos que são porradas desferidas como se fossem tapas de luva de pelica em figuras referenciais de nossa atual classe política, muitas das quais já presas, em prisão domiciliar ou a caminho da cadeia.

    Encerra a proclamação de seu afeto para com este símbolo majestoso de nossa nacionalidade constituindo-se como que em porta-bandeira poético, invocando-a: “Sobre a imensa nação brasileira,/ Nos momentos de festa ou de dor,/ Paira sempre, sagrada bandeira,/ Pavilhão da justiça e do amor!”.

    O fluminense Olavo Bilac era apenas uma criança quando outro grande poeta brasileiro, o baiano Castro Alves, publicara versos tão ou mais belos sobre nossa bandeira, mas furiosos. Denuncia a escravidão, primeiramente na forma de uma pergunta – “que bandeira é esta que impudente na gávea tripudia?” — e depois de vituperar o mal do século (aquele, sim, era o mal do século, não o romantismo), fecha o poema com três estrofes finais de arrepiar. No período, a abolição e a república, como tantos outros escritores mostraram, eram as referências solares da vida intelectual da segunda metade do século XIX, como são para nós hoje a faxina em nossa vida política e a redenção da dignidade brasileira, pois somos um povo digno.

    Diante da “fatalidade atroz que a mente esmaga”, o poeta brada contra a escravidão e conclama: “Levantai-vos, heróis do Novo Mundo!/ Andrada! Arranca este pendão dos ares! Colombo! Fecha a porta dos teus mares!”.

    Deonísio da Silva, da Academia das Ciências de Lisboa e da Academia Brasileira de Filologia, é Doutor em Letras pela USP, professor e Diretor do Instituto da Palavra, na Universidade Estácio de Sá, no Rio de Janeiro. É autor de dezenas de livros, entre os quais De onde vêm as palavras e Avante, soldados: para trás (Prêmio Internacional Casa de las Américas). Na companhia do jornalista Ricardo Boechat, apresenta Sem Papas na Língua, na Rádio Bandnews Fluminense.

     

    Deixe um comentário

    Please enter your name here
    Please enter your comment!

    DESTAQUES

    Bairro Cuiabá História Municípios Policia
    Brasileira é encontrada morta a facadas em cidade do Paraguai
    UFMT recebe 17 estudantes de 6 países da Europa e América Latina nesta terça-feira
    Duas pessoas morrem em colisão na BR-163, em Nova Mutum
    Assembléia Legislativa Câmara Municipal Eleições 2018 Governo Judiciário Partidos Prefeitura
    Candidato ao Senado, Sachetti defende legalização da maconha em sabatina
    Carlos Abicalil entra com recurso no TRE para assumir vaga de senador
    Mendes lidera pesquisa ao governo com 23% e Taques tem 18%
    Agricultura Agropecuária Economia Agrícola Indicadores Agrícolas Pecuária Tecnologia Agrícola
    País pode ganhar novo marco para o setor agropecuário
    Sistema de classificação de grãos precisa evoluir, alerta Aprosoja Brasil
    Vencedores do Prêmio de Mobilização visitam fábrica da New Holland em Curitiba
    Artes Cênicas Artes Plásticas Artesanato Cinema Comportamento Cultura Popular Gastronomia LIteratura Música
    Evento circense reúne artistas da América Latina em Cuiabá com apresentações ao público
    Fotógrafos profissionais e amadores terão consultorias gratuitas nesta semana
    Inédito em Cuiabá, filme com Patrícia Pilar será exibido no Cine Teatro nesta terça
    Corrupção Economia Eleições Estados Política
    Começam hoje inscrições para bolsas remanescentes do ProUni
    Roraima volta a pedir ao STF limite de entrada de venezuelanos
    Planos de saúde poderão ser obrigados a cobrir tratamentos contra o tabagismo
    Concurso Dicas Estágio Vagas de Emprego no Mato Grosso
    Por R$ 23 mil, Tribunal de Justiça de Mato Grosso lança concurso para magistratura
    Sejudh abre concurso para agentes penitenciários com salários de até R$ 3 mil
    Sine Municipal oferece 78 novas oportunidades para quem deseja retornar ao mercado de trabalho
    X