População sofre com a falta de remédios na Farmácia de Alto Custo

Um dos medicamentos de uso contínuo estaria em falta desde setembro. O trato dos funcionários com os assistidos também foi alvo de reclamação

(Foto: Divulgação)

Apreensão é o principal sentimento que tem feito companhia para Giselly Fortes, de 38 anos. Até o próximo domingo o medicamento do filho D.L., de 4 anos, ainda está garantido. Mas dali adiante a dona de casa não sabe como vai fazer para evitar as crises convulsivas. O remédio não está disponível na Farmácia de Alto Custo da Capital. Cada caixa de Levetiracetam 100 mg/ml pode custar até R$ 300 e são seis caixas por mês.

Giselly conta que ao tentar buscar o medicamento na terça-feira (4), foi informada que não havia o produto. A mesma resposta foi dada com relação ao Clobazam 10 mg. Este, desde setembro de 2021 não tem sido distribuído pela Farmácia de Alto Custo, segundo a mãe da criança. À época, Giselly fez a denúncia ao LIVRE. Desde então, tem adquirido o remédio por conta própria para garantir que o filho consiga dormir tranquilamente sem as contrações musculares.

“Esses são remédios que só consigo comprar com receita médica, pago R$ 500 por consulta. Quando passa o mês e não teve como pegar o medicamento, perco a receita”, comenta.

Falta é rotina

Em busca da quinta caixa de Rivastigmina 18mg, a aposentada Ana Beatriz Müller, de 65 anos, teve a mesma resposta de meses anteriores: o remédio ainda não está disponível.

O medicamento é usado pela mãe de Ana Beatriz, uma idosa de 92 anos e portadora de Alzheimer e a auxilia na deglutição dos alimentos. O último adesivo foi utilizado em 2 de janeiro, desde então, a família aguarda para pegar uma nova caixa.

Ana Beatriz relata que esteve na Farmácia de Alto Custo nesta semana e foi informada por funcionários que uma caixa de remédios chegou, mas que eles precisariam confirmar se o medicamento veio. Depois, a aposentada foi avisada que o Rivastigmina não estava entre os produtos entregues.

“Sempre tem problema, todo mês não tem a medicação, dizem que o Ministério da Saúde não entregou. Falta muita organização ali dentro”, avalia.

Deixa a desejar

Giselly e Ana Beatriz reclamam ainda do trato que os funcionários têm tido com os pacientes que vão até a Farmácia de Alto Custo. A aposentada relata que há servidores que ficam apenas mexendo no celular ou sentados sem fazer nada.

A mãe de D.L., por sua vez, critica a demora em responderem os questionamentos enviados pelo aplicativo Whatsapp.

O que diz a Secretaria de Estado de Saúde?

A Secretaria de Estado de Saúde (SES) informou que os medicamentos Levetiracetam 100mg/ml e Rivastigmina 18mg são adquiridos pelo Ministério da Saúde e a Pasta aguarda a regularização dessa aquisição. Também está em fase de compra o Clobazam 10mg, já o clobazam 20mg tem estoque regular.

Leia a nota na íntegra.

A Secretaria Estadual de Saúde (SES-MT), por meio da Farmácia Estadual, informa que as medicações levetiracetam 100mg/ml e rivastigmina 18mg são adquiridas e entregues aos Estados pelo Ministério da Saúde. O estoque dos compostos na Farmácia Estadual finalizou em dezembro de 2021. A SES aguarda a regularização do envio dos medicamentos por parte do Governo Federal, previsto para ocorrer ainda no mês de janeiro de 2022.

Com relação ao composto clobazam 20mg, a pasta esclarece que o estoque está regular na unidade especializada de saúde. Já o medicamento clobazam 10mg está em processo de aquisição pelo órgão estadual. 

A Secretaria ainda ressalta que prioriza um atendimento respeitoso aos usuários dos serviços prestados pelas unidades de saúde estaduais e, diante de qualquer atitude divergente do preconizado, o órgão estadual tomará as medidas cabíveis.”

LEIA TAMBÉM

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorGoverno de MT lança concurso público para polícias, bombeiros e Politec
Próximo artigoSine Municipal disponibiliza 407 oportunidades de trabalho