O que é zerar emissão de carbono e por que o Estado comprou a ideia?

Debate iniciado no século XIX ganhou a pauta de governos por causa da pressão da opinião pública sobre produção econômica

(Foto: EBC)

A concentração de gases-estufa na atmosfera é um tema antigo e começou a ser medida em meados do século XIX. De lá para cá, a indústria e a agropecuária se desenvolveram em ritmo acelerado, o que, em tese, também acelerou a emissão do carbono e outros gases que elevariam a temperatura da Terra.  

Agora, o assunto foi comprado por Estados e líderes econômicos, com a cobrança de estabelecer metas para reduzir e neutralizar a emissão desses gases e o impacto no meio ambiente.  

Essa virada teve início no setor privado, até chegar aos órgãos públicos, e o motivo tem a ver com a sustentação da economia nas próximas décadas. A diretora do Instituto Centro Vida (ICV), Alice Thuault, diz que os produtores precisam pensar agora como será feita a criação de gado, por exemplo, daqui 15 anos. 

“Daqui alguns anos, o rio que existe hoje não estará mais lá da mesma forma e o gado vai continuar precisando beber água e o pasto ser irrigado. A mudança na redução do volume d’água tem a ver com o desmatamento e as queimadas, que geram emissão de carbono”, afirma. 

Mas o que é a emissão de carbono? 

Estudos apontam que a maioria das ações na Terra geram a emissão de carbono. O aumento da produção industrial e agropecuária teria aumentado a quantidade do gás no ar em um volume que a natureza não conseguiria eliminar por si só. 

Na produção agropecuária, a maioria da emissão vem da criação de gado. As principais fontes são o metano de arrotos do gado e do esterco. 

Governador Mauro Mendes em conferência sobre o clima na Dinamarca, onde tentou vender a imagem de Mato Grosso como um celeiro de alimentos sustentável (Foto: Reprodução/Secom MT)

A fermentação entérica, um processo digestivo natural nos animais ruminantes, como gado, ovelhas e cabras, e o estrume deixado no pasto são modos de emissões agrícolas.  

Mas as queimadas descontroladas seriam as principais responsáveis por essa emissão na pecuária. Na agricultura, o desmatamento em larga escala, que empobrecem as chances de renovação natural do ambiente.  

A concentração do metano, carbono, óxido nitroso e do clorofluorcarboneto, que em quantidade regular filtram a radiação infravermelha, geram o aumento da temperatura e sensação de calor (efeito-estufa). 

A defesa empresarial 

As empresas privadas entram na linha de cobranças por controle das emissões de gases-estufa por aumento da pressão da opinião pública para boicotar a produção com grande volume emissão. 

A avaliação da diretora Alice Thuault é que, daqui algumas décadas, as atividades econômicas podem ficar inviáveis para os produtores que não adotarem medidas de redução ou neutralização do carbono. 

A avaliação dos efeitos econômicos em larga escala acaba atraindo governos a também entrar na defesa da sustentabilidade – alertado por consideração geopolítica. Como foi o caso do Governo de Mato Grosso, que nesta semana apresnetou uma série de metas que pretende cumprir. 

LEIA TAMBÉM 

Ainda conforme Thuault, as mudanças na produção passam pela fiscalização e monitoramento de queimadas e desmatamentos, inclusão da agricultura familiar no cenário econômico e criação de novas canais de preservação dos rios e áreas ambientais. 

A estimativa feita pelo ICV, em 2015, calculava a necessidade R$ 40 bilhões para colocar as mudanças em andamento, mas essa quantia já considerada defasada. A maior parte iria para o próprio agrobusiness. 

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorEstados Unidos emitem passaporte com gênero “X” para pessoa não binária
Próximo artigoDia Nacional do Livro: hábito da leitura aumentou na pandemia