O pré-sal vai ser vendido e parte do dinheiro vem para MT; entenda a partilha

Mas o secretário de Fazenda antecipa: não vai contar com o dinheiro, enquanto ele não entrar nos cofres do Estado

(Foto: Agência Petrobras)

No dia 6 de novembro, o governo brasileiro vai colocar à venda o direito de exploração da tão famosa quanto obscura camada de petróleo do pré-sal. A estimativa é que sejam arrecadados mais de R$ 106 bilhões no que já se chama de “megaleilão”.

Parte desse dinheiro – R$ 33,6 bilhões – vai ficar com a Petrobrás, para o pagamento de dívidas do governo federal. O restante – cerca de R$ 73 bilhões – vai ser dividido entre a União, os Estados e os Municípios.

A parte do governo federal já está definida: R$ 46,9 bilhões. Agora, o Congresso Nacional debate como vai ser a partilha entre os demais entes da federação.

De acordo com a última proposta apresentada, Mato Grosso – e seus municípios – pode ser o segundo Estado mais beneficiado com o dinheiro. Receberá cerca de R$ 665 milhões.

O secretário de Estado de Fazenda Rogério Gallo já antecipou, entretanto, que não conta com o valor para fechar o exercício financeiro de 2019. Segundo ele, planos só serão feitos quando o dinheiro estiver na conta.

“Óbvio que nós contamos com esse recurso, e se ele vier será muito bem-vindo, mas nosso planejamento é fechar [2019] sem ele”, disse em entrevista concedida à TV Centro América na quarta-feira (9).

Secretário de Fazenda, Rogério Gallo tem sido cauteloso quando se trata desse dinheiro (Foto: Ednilson Aguiar/ O Livre)

Nesta sexta-feira (11), a Associação Mato-grossense dos Municípios divulgou uma nota da Confederação Nacional que orienta os prefeitos sobre como investir o dinheiro em ambos os casos: se o valor chegar ainda neste ano ou se ficar para 2020.

O alerta, no entanto, é claro: “é importante que os gestores municipais não comprometam as finanças municipais antes da liberação do recurso”, diz o texto, que ressalta sequer ser possível prever quanto cada cidade vai receber, já que “não se sabe quais valores serão arrecadados como resultado do leilão”.

Além de a venda do direito de explorar o pré-sal ainda não ter ocorrido – embora, segundo Gallo, a perspectiva seja boa quanto aos interessados na compra – o secretário lembra que ainda faltam algumas etapas a serem cumpridas e o tempo é curto.

“Tem que aprovar uma proposta de emenda constitucional [PEC] no Congresso, colocar [a previsão do dinheiro] no orçamento da União, o dinheiro tem que entrar no caixa da União, porque é um leilão que vai acontecer só no dia 6 de novembro, e aí sim haverá a partilha com os Estados”.

Trâmite no Congresso

No Congresso Nacional, Senado e Câmara Federal tiveram ideias diferentes de como dividir o dinheiro.

No Sernado e na Câmara, as propostas de partilha foram diferentes (Foto: Rodolfo Stuckert)

Senadores chegaram a aprovar uma PEC que partilhava o recurso da mesma forma como já são divididos os fundos de Participação dos Estados e dos Municípios (FPE e FPM).

Entre os critérios estão, por exemplo, as desigualdades regionais. Dessa forma, Estados e Municípios com menores índices de desenvolvimento – em outras palavras, os mais pobres – recebem mais.

Assim, Roraima faturaria R$ 610 da venda do pré-sal por habitante. Para o Acre, seriam R$ 548 por pessoa. Por outro lado, São Paulo ficaria com R$ 32 e o Distrito Federal com R$ 28.

A proposta acabou não agradando a Câmara Federal. Os deputados, então, mudaram a regra de partilha.

Um terço do valor vai continuar sendo dividido conforme os senadores planejaram. O restante, entretanto, vai seguir o critério previsto na Lei Kandir, que prevê o pagamento de uma compensação financeira para Estados que exportam produtos in natura e, por isso, não podem cobrar ICMS dessas produções.

Com o novo cálculo, Minas Gerais vai ser o Estado mais beneficiado, recebendo R$ 849 milhões. O segundo será Mato Grosso, com R$ 665 milhões.

Isso se o valor do leilão se confirmar e se o Senado mantiver a mudança feita pelos deputados. A proposta aprovada pela Câmara Federal, ainda precisa de uma aprovação dos senadores.

(Com informações da Agência Senado e da AMM)

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorDaveed Diggs está em negociações para viver Sebastião no remake de A Pequena Sereia
Próximo artigoApós fugir de hospital, adolescente infrator dá de cara com agente prisional