Ministério Público se recusa a interferir em reunião de fiéis na Assembleia de Deus

Evento para eleger um novo líder tem potencial para causar aglomeração de pessoas. Além do MP, a Justiça e a Prefeitura já foram acionados

(Foto: Reprodução/Google Street)

O Ministério Público de Mato Grosso (MP) se recusou a pedir ao Judiciário que determine a suspensão da reunião geral da Assembleia de Deus, em Cuiabá, nesta terça-feira (4). O promotor de Justiça, Alexandre Guedes, responsável pelos procedimentos relacionados à saúde pública, afirmou que adotar essa medida cabe ao Município. 

O argumento de quem não quer que a reunião ocorra é que ela pode gerar aglomeração de evangélicos e, sendo assim, quebrar as medidas de distanciamento social e controle da disseminação do novo coronavírus. 

“O que se denota de todas as informações é que realmente existe o risco do referido evento acarretar aglomeração de pessoas. Só que a gestão e controle desse risco é atribuição do poder Executivo local e não do Ministério Público; este só deve agir se houver quebra da legalidade ou risco de omissão da autoridade pública”, diz trecho do documento assinado pelo promotor. 

A reunião geral, programada para as 17h desta terça-feira (4), deve reunir centenas de evangélicos que para escolha de um novo presidente da Assembleia de Deus em Mato Grosso. O líder pastor Sebastião Rodrigues de Souza morreu no dia 8 de junho, vítima da covid-19. 

Uma semana antes, seu filho, pastor Rubens Ciro Rodrigues de Souza, morreu também com a infecção causada pelo novo coronavírus. Eles ocupavam os dois cargos mais altos de hierarquia protestante no Estado. 

Um pedido de suspensão desse encontro no templo religioso – além do feito ao Ministério Público – já foi apresentado diretamente ao Judiciário. Está no gabinete da juíza Olinda de Quadros Altomare Castrillon, da 11ª Vara Cível de Cuiabá. 

Fiscalização 

Em nota emitida nesta terça-feira, a Prefeitura de Cuiabá disse que a organização da Assembleia de Deus deve seguir as regras para a realização de cultos religiosos previstas no Decreto 7.887/2020. 

Eles podem ser realizados entre 6h e 20h, sendo permitidas no máximo duas celebrações diárias por turno, abertas ou não ao público em geral, desde que respeitado o intervalo de 1h30 entre uma e outra.  

Nesse intervalo, bem como antes e depois dos cultos, deve ser feita a higienização do local. A lotação de igrejas e templos está restrita a 30% da capacidade máxima. 

Secretário de Ordem Pública de Cuiabá, Leovaldo Sales já solicitou à Vigilância Sanitária que faça uma vistoria no Grande Templo para verificar se as medidas de biossegurança estão sendo tomadas.

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorFamílias assistidas por Instituições Religiosas de Sinop receberão cestas básicas doadas pela Usina Hidrelétrica Sinop
Próximo artigoReceita Talharim com Moqueca de Camarão por Chef Tolentino Neto