Mais um setor do Hospital do Câncer corre o risco de fechar por falta de dinheiro

Deputados federais que destinaram emendas que não chegaram a unidade pressionam o prefeito Emanuel Pinheiro

(Foto:Ednilson Aguiar/ O Livre)

Sem dinheiro para comprar insumos, o Hospital de Câncer de Mato Grosso (HCanMT) estima que fechará mais um setor na próxima semana. Agora, a oncologia adulto e infantil deve parar de receber novos pacientes. Na semana passada, aconteceu com a unidade de hematologia – câncer no sangue.

Conforme a direção do hospital, a interrupção atingirá cerca de 2,2 mil pessoas, das quais 60% são do interior e estão em Cuiabá apenas para o tratamento.

Desde quarta-feira (4), quando o LIVRE publicou reportagem sobre a situação financeira do hospital, a gestão da unidade e a Prefeitura de Cuiabá trocam “farpas”.

Enquanto os relatórios financeiros da administração hospitalar mostram que a unidade tem em haver com o município R$ 6,8 milhões, a Secretaria de Saúde acusa o hospital de receber por serviços que não executa, além de reconhecer apenas R$ 3,5 milhões em débitos.

Nesta terça-feira (10), foi a vez de dois deputados federais entrarem no debate, já que do total inadimplente, no cálculo de ambas as partes, estão mais de R$ 2 milhões referentes a emendas parlamentares.

Dr Leonardo vem pessoalmente a Cuiabá exigir satisfações do prefeito sobre os repasses (Foto: Assessoria)

O deputado federal Leonardo Albuquerque, conhecido como Dr. Leonardo (SD), disse estar surpreso com as recentes notícias. Ele informou que virá a Cuiabá esta semana para conversar pessoalmente com o prefeito Emanuel Pinheiro (MDB) sobre o caso.

Ao todo, a emenda de Dr. Leonardo era de R$ 1.696.231 e foi destinada ao custeio da Unidade de Terapia Intensiva (UTI) Infantil. Deveria cobrir os custos por pelo menos seis meses.

A estrutura, no entanto, nunca funcionou por falta de dinheiro. E os seis meses era justamente o tempo necessário pelo qual ela deveria funcionar para o hospital conseguir credenciá-la junto ao Ministério da Saúde e, assim, poder contratualizar o serviço.

O deputado federal Neri Geller (PP) também não está satisfeito com a situação. Ele destinou R$ 400 mil para investimento no custeio da unidade e o pagamento de serviços terceirizados.

Geller diz que não cabe ao prefeito questionar o destino dos recursos (Foto: Ednilson Aguiar/ O Livre)

“Tenho um bom relacionamento com Emanuel, porém, não cabe a ele questionar a aplicação da verba. Ela já vem destinada e a função da prefeitura é transferir o mais rápido possível”, afirma.

O parlamentar declara ainda que, desde que soube do impasse, está tentando agendar uma reunião com Emanuel Pinheiro e que, na manhã dessa terça-feira, foi informado – via  WhatsApp – que o encaminhamento estava esbarrando na falta de prestação de contas dos serviços prestados no HCanMT.

“Mesmo com a resposta, eu vou encaminhar uma equipe para acompanhar o caso de perto e também entrar em contato com o hospital para saber o que está acontecendo”, afirma o deputado.

Ambas as emendas estão na conta do Município desde dezembro do ano passado.

Gestão nega acusações

O diretor-técnico do Hospital do Câncer de Mato Grosso, Diogo Sampaio, assegura que a unidade não tem nenhum problema com a prestação de contas dos serviços. Ele afirma que os serviços devidos foram auditados pela própria Secretaria Municipal de Saúde (SMS) e por uma comissão especial, também da prefeitura.

Após o trâmite de checagem, foram solicitadas as notas fiscais, no entanto, os pagamentos não foram feitos.

Sampaio diz ainda que após a reportagem do LIVRE, a Prefeitura de Cuiabá entrou em contato com a administração e ofereceu R$ 2 milhões do valor devido. A condição para o recebimento, no entanto, era a direção do hospital não falar mais sobre o caso na imprensa.

“Nós não queremos escândalos e nem nos envolver com questões políticas. Porém, o serviço parou e temos que dar uma satisfação à população e aos nossos pacientes. Ambos exigem a transparência de nós”, declara.

LEIAM TAMBÉM

Serviço não prestado?

No dia seguinte à publicação da primeira reportagem sobre o caso – quinta-feira (5) – o secretário de Saúde, Luiz Antônio Possas de Carvalho, convocou uma entrevista coletiva para falar sobre o assunto.

Secretário Luiz Antônio Possas de Carvalho reconhece apenas metade do total devido (Foto: Ednilson Aguiar/O Livre)

Na ocasião, ele reconheceu apenas R$ 3,5 milhões da dívida, ou seja, quase a metade do que é reclamado pelo hospital.

Acrescentou ainda que o hospital não tinha realizado todos os serviços pagos e que estava em débito, por isso não receberiam mais repasses.

Com relação a denúncia, o diretor técnico afirma que o secretário “entende muito pouco sobre a pasta”.

Conforme Sampaio, quando a secretaria era gerida por Huark Correia – que foi preso na Operação Sangria acusado de monopolizar ilegalmente serviços de saúde – houve uma mudança nos critérios de repasses de dinheiro vindo do Ministério da Saúde para os hospitais filantrópicos.

No que o diretor-técnico chama de “inovação”, a Prefeitura de Cuiabá passou a exigir que os hospitais pagassem com serviços 20% do total das verbas federais repassadas, o que foi chamado de “contraserviço”.

“Nós tínhamos que assumir os 20%, com relação ao pagamento de profissionais e insumos, para receber o total. Como todos estávamos precisando, ninguém questionou”, lembra.

Além da exigência não estar prevista em qualquer portaria ou norma, alega o diretor, a Prefeitura ainda determinou que quem especificaria quantos procedimentos correspondem a 20% do repasse seria o próprio município.

Secretaria de Saúde implantou proposta de “contraserviço” para hospitais receberem (Foto: Assessoria)

“Acabamos aceitando, porém, os pacientes só seriam contados se encaminhados pela Central de Regulação do Município. Não podia ser a do Estado”, relata.

De acordo com Sampaio, a Central de Regulação não conseguiu mandar a quantidade determinada de pacientes e vários ofícios foram encaminhados solicitando a demanda, porém não houve resposta.

“Parte dos pacientes já tinham sido encaminhados pelo Estado, feito o tratamento em outro lugar e até mesmo falecido diante do tempo de espera. Nunca nos recusamos a cumprir o combinado”, finaliza o diretor.

O que diz a Prefeitura?

A reportagem do LIVRE entrou em contato com a assessoria de imprensa da Secretaria de Saúde de Cuiabá e aguarda um posicionamento sobre o assunto.

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorVice-prefeito de Serra Nova Dourada é morto a tiros após discussão
Próximo artigoFim do recesso