Mais idosos e menos saúde pública, uma relação desproporcional

Sem gestão adequada, as perspectivas para uma população cada vez mais idosa não são das melhores

(Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil)

A previsão do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) é que a população de idosos em Mato Grosso quase dobre nos próximos 10 anos. Segundo os dados, o número de pessoas com mais de 65 anos passaria de 269.982 para 439.276.

Um aumento que segue crescente, tanto em relação à quantidade, como a participação do grupo diante do total de indivíduos em solo mato-grossense. Enquanto em 2021 eles representam 7% do total de habitantes do Estado, em 2031, eles chegarão a 11%.

E este crescimento será um grande desafio para os gestores públicos, que já “pedalam” em relação às questões de saúde. Ainda mais agora, quando as mudanças seguem uma aceleração que beira a instantaneidade.

Professor do Departamento de Saúde Coletiva da Universidade Federal de Mato Grosso (UFMT), Reinaldo Gaspar afirma que o Sistema Único de Saúde (SUS) é perfeito dentro de sua concepção, porém o resultado efetivo para a população esbarra na má gestão em todas as esferas.

Uma situação que foi ainda mais impactada pela Projeto de Emenda Constitucional (PEC) 241/55, que limita dos gastos públicos em vários setores, entre eles a Saúde e a Educação.

(Foto: Ednilson Aguiar/ O Livre)

O resultado são unidades sucateadas, a falta de investimento em inovação e profissionais sobrecarregados. Gaspar argumenta que um médico do Programa Saúde da Família, por exemplo, teria que atender no máximo 3 mil pacientes mas, em alguns postos, chega a ter 10 mil, o que impede um tratamento individualizado ou qualquer tipo de acompanhamento.

No âmbito de gestão, o professor explica que em todas as esferas – Federal, Estadual e Municipal – existem problemas. As ações pactuadas não são executadas, as decisões dos conselhos de Saúde não são acatadas e a política sobressai o que é emergência.

“Não vemos se usar a política para a Saúde, mas sim, se usar a Saúde para política”, lamenta o professor.

LEIA TAMBÉM

Dentro desse cenário caótico, o idoso está cada vez mais sem acesso aos serviços de saúde essenciais, uma situação que piorou por conta da pandemia, tendo em vista que faltam medicamentos de uso contínuos e as centrais de regulação estão atuando apenas nos casos de emergência, deixando os demais na espera.

Não existe a cultura do cuidado

O professor explica que a diferença entre o Brasil e os países que apresentam uma maior expectativa e qualidade de vida aos idosos está também nas ações preventivas como alimentação, atividades física e lazer.

São questões que estão desaparecendo com os novos conceitos de valorização das questões econômicas em prol das pessoas. Um posicionamento diferente dos presentes nos países da Escandinávia e até mesmo em Portugal, por exemplo, onde se vive mais e melhor.

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorPandemia aumenta mercado de cuidador de idosos. Mas como contratar?
Próximo artigoVÍDEO | Barroso afirma que Venezuela é uma ditadura de direita