Grampolândia: incoerência “escandalosa”, afirma procurador ao negar delação

MP considerou que militar entrou em contradição em tentativa de delação sobre grampos ilegais

(Foto:Ednilson Aguiar/ O Livre)

O cabo da Polícia Militar, Gerson Luiz Ferreira Correia Junior, acusado de participação em um esquema de escutas ilegais conhecido como Grampolândia Pantaneira, tinha a intenção de firmar acordo de colaboração premiada com o Ministério Público de Mato Grosso (MPE), mas não apresentou fatos novos, nem provas e ainda registrou uma “gritante e escandalosa” contradição nos depoimentos.

A informação consta no despacho, do dia 5 de julho, assinado pelo procurador de Justiça Domingos Sávio de Barros Arruda, coordenador do Núcleo de Ações de Competência Originárias (Naco Criminal), que negou a proposta do militar.

A tentativa de acordo começou em março deste ano, por iniciativa de Gerson. Quase um mês depois, no dia 16 de abril, ele entregou sua “delação”. Foram nove termos.

Segundo o MPE, Gerson chegou a apontar, nos termos dois e quatro, informações que seriam “novas” para os investigadores, e poderia se beneficiar com o acordo, não fosse os depoimentos controversos que prestou.

As inconsistências foram identificadas após análise de mais de 10 mil páginas de documentos, em diversos procedimentos investigatórios sobre o caso, segundo o procurador. Entre as controvérsias estão, por exemplo, o real mandante das escutas ilegais, a inclusão da deputada estadual Janaina Riva (MDB) nos grampos e a participação de promotores no caso.

Domingos Sávio, então, chegou a questionar se o militar queria, de fato, contribuir com a elucidação do caso, ou se tratava-se de uma “última cartada” frente à aproximação da data de julgamento.

“Diante disso, pergunta-se: como celebrar um negócio jurídico com o requerente se, ao final e ao cabo, os elementos por ele trazidos não terão resultado útil algum em eventual ação penal? Por que seria interessante ao Ministério Público concordar com a concessão de um benefício ao delator, prestes a ser condenado, em vista do pouco – e inverossímil – que por ele é oferecido?”, considerou Domingos Sávio.

Gerson, porém, havia alegado, quando ainda da manifestação pela delação, que tinha medo de morte e retaliações funcionais, em razão do poder e influência dos supostos envolvidos no esquema. Não fica claro no documento, contudo, se seria este o motivo das incoerências.

Grampolândia

O esquema de grampos ilegais foi denunciado pelo promotor de Justiça Mauro Zaque à Procuradoria Geral da República (PGR), a quem afirmou que o governo do Estado tinha conhecimento sobre as escutas ilegais instaladas em Mato Grosso.

Inicialmente, o pedido de interceptação telefônica foi autorizado pela Justiça Estadual, mas teve a finalidade alterada depois que número de pessoas sem envolvimento em crimes terem sido incluídos – uma manobra chamada de barriga de aluguel.

Depois de ter alertado ao então governador, Pedro Taques, Zaque procurou a PRG, em janeiro de 2017. O escândalo veio à tona após uma reportagem veiculada pelo Fantástico, em maio daquele ano, na qual o promotor reafirma as denúncias.

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorO Rei Leão conquista apenas 57% de aprovação no Rotten Tomatoes
Próximo artigoEdital de concurso da Assistência Social está disponível; salário chega a mais de R$ 9 mil

O LIVRE ADS