Governo de MT diz que ministro foi “induzido ao erro” ao paralisar obras do BRT

Governador Mauro Mendes viaja hoje para Brasília para conversar com ministro Aroldo Cedraz sobre "falhas" em recurso de Cuiabá

(Foto: Ednilson Aguiar / O Livre)

O governador Mauro Mendes disse nessa segunda-feira (9) que o Tribunal de Contas da União (TCU) foi “induzido ao erro” com a decisão que mandou suspender a implantação do BRT em Cuiabá e Várzea Grande. 

“Foi um grande equívoco do TCU. Importante dizer que a Prefeitura [de Cuiabá] induziu o TCU ao erro. Então, isso para mim são favas contadas, é um pequeno detalhe. Com certeza, conseguiremos a construção do BRT”, afirmou. 

A suspensão foi determinada em decisão monocrática do ministro Aroldo Cedraz, na semana passada. O ministro acatou um recurso da Prefeitura de Cuiabá com base em parecer do grupo de trabalho do Ministério do Desenvolvimento Regional, no fim de 2020. 

O relatório de avaliação de troca de modais apontaria que haveria riscos maiores na opção pelo BRT do que na permanência e conclusão da obra do VLT. O governador disse viajaria hoje à tarde para Brasília para conversar com o ministro. 

O argumento do governo será que o BRT não será implantado com dinheiro do governo federal, mas com o próprio dinheiro do Estado. A participação financeira do governo federal faria parte somente do VLT e a dívida fora quitada no fim de 2021. 

“Outro equívoco que a prefeitura informou no processo e o ministro Cedraz, infelizmente, não percebeu é de que precisava da aprovação da região metropolitana para fazer mudança. Isso já aconteceu há muitos meses. Todas as prefeituras votarem a favor exceto Cuiabá”, afirmou Mendes. 

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorMorre avô de Fábio Garcia
Próximo artigoMajor do Exército é preso por declarar apoio a Bolsonaro