Estudante de MT ganha bolsa nos EUA e fica mais perto de entrar para a Nasa

Maria Gisllanny já é conhecida por compartilhar o sonho de ser astronauta com o Brasil. Agora ela precisa da sua ajuda

Foto: Arquivo Pessoal

Ela sonha em ser astronauta e nunca escondeu isso de ninguém. E, ao contrário do que ouvia quando criança, tem mostrado que é possível realizar qualquer sonho, se você for determinado e persistir.

Aos 21 anos, a universitária Maria Gisllanny Bezerra Silva está a poucos passos de subir mais um degrau em direção ao seu maior objetivo: entrar para a Agência Espacial Norte-Americana (Nasa, em inglês). Para isso, você pode ajudá-la.

A jovem, que estuda Física na Universidade Federal de Mato Grosso (UFMT), participou de diversas atividades promovidas pela Nasa ao longo dos últimos anos.

Foi por meio de uma dessas atividades que, em 2019, ganhou uma bolsa de estudos na Universidade Sweet Briar College, no estado da Virgínia (EUA). Para chegar até lá, Maria tem até o dia 5 de janeiro (domingo) para arrecadar pouco mais de R$ 12 mil.

O valor, segundo a estudante, será usado para pagar as passagens de Cuiabá para Washington (DC) e custear os dois primeiros meses nos Estados Unidos. Além disso, 13% da arrecadação ficam com a plataforma de financiamento coletivo Catarse, utilizada por ela para a vaquinha online.

Até essa sexta-feira (3), Maria havia conseguido R$ 8.547. O valor corresponde a 69% do total necessário. Ou seja, ainda são necessários cerca de R$ 4 mil.

Conforme a estudante, apesar de ter ganhado a bolsa de estudos, o benefício da universidade não cobre gastos com livros, transporte e seguro-saúde. Por isso ela teve a ideia de lançar o financiamento coletivo. A vaquinha pode ser acessada aqui.

Obstáculos e superação

Quem acompanha o LIVRE já conhece a história da Maria Gisllanny. Ela, que nasceu em Serra Talhada, no interior de Pernambuco, e mudou-se para Mato Grosso ainda bebê, tem superado uma série de desafios em busca de seu sonho.

Boa parte de sua vida a universitária passou no município de Tangará da Serra (240 km de Cuiabá). Lá, ela só teve acesso à internet e computadores depois dos 10 anos, o que a impulsionou a se dedicar ainda mais aos estudos.

Mas foi por meio da televisão que a vontade de conhecer o espaço surgiu. Quando tinha oito anos, ela viu Marcos Pontes (astronauta brasileiro e atual ministro da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicação) chegar ao espaço.

Anos depois, em 2015, Maria Gisllanny teve a oportunidade de conhecê-lo. Desse encontro, portas se abriram e novos sonhos surgiram.

No ano seguinte, por exemplo, a estudante participou do projeto Missão X, com o professor Marcelo Souza. Foi também Marcelo quem a apoiou em outras iniciativas, como uma visita técnica ao centro espacial da Nasa. Para isso, ela venceu um concurso de redação.

E ela não parou aí. Quando voltou, fez diversas palestras sobre ciência espacial pelo Estado e, antes, também ajudou a implantar o projeto Missão X em Mato Grosso.

Em 2019, ela ficou quase três semanas nos Estados Unidos, como bolsista em um programa de educação. Foi a partir dessa viagem que ela conquistou a bolsa de estudos para a universidade.

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorGlobo de Ouro já acontece neste domingo, dia 5, com transmissão na TNT
Próximo artigoFrozen 2 possui cena pós-créditos; Confira o que acontece

O LIVRE ADS