Emanuel: MPE foi induzido em erro

Prefeito anunciou que a unidade vai ser inaugurada, mas está impedida de receber pacientes

(Foto:Ednilson Aguiar/ O Livre)

O prefeito de Cuiabá Emanuel Pinheiro (MDB) avaliou que o pedido do Ministério Público do Estado (MPE) para suspender o funcionamento do Hospital Municipal de Cuiabá (HMC), onde vai funcionar o novo Pronto-Socorro da Capital, teria sido uma “jogada política de adversários”. Segundo ele, em razão disso o MP foi “induzido em erro”.

No início do mês, o MPE entrou com ação na Justiça para impedir o funcionamento do novo Pronto-Socorro, alegando que faltavam documentos e que a gestora indicada pela prefeitura, a Empresa Cuiabana de Saúde, estava sendo alvo de operações policiais e estaria praticando “atos contrários à boa gestão e à qualidade dos serviços prestados pelo SUS aos seus usuários”.

Segundo o prefeito, o MPE teria sido provocado por seus adversários, que estariam tentando “jogá-lo” contra os órgãos de controle. “Eles tentam, de toda forma, atrapalhar”, afirmou, durante a coletiva.

Após o pedido do MPE, a Vara de Ação Civil Pública de Cuiabá acatou o pedido e determinou que a prefeitura não abra as portas da nova unidade após a inauguração, sob pena de multa diária. Além disso, o prefeito também enfrenta uma decisão do Tribunal de Contas do Estado (TCE), que proibiu a transferência da gestão da nova unidade para a Empresa Cuiabana de Saúde. Emanuel garantiu que a prefeitura já busca formas de recorrer.

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorEmanuel diz que Cuiabá “é a salvação da saúde” e tenta garantir repasse de R$ 82 milhões
Próximo artigoAtropelamento em Cuiabá: Ramon espera milagre e Hya pelo cumprimento de liminar