Denúncias de maus-tratos a animais crescem 53% em Cuiabá

Até agora, foram contabilizados 764 registros, o que aponta para uma média de 3 notificações diárias

(Ilustrativa/Pixabay)

As ligações não param e os trabalhos só crescem. A média diária é de 3 chamados informando alguma situação de maus-tratos aos animais em Cuiabá. Nesse ritmo, a Capital já contabiliza 764 denúncias. Esse índice é 53% maior do que os 497 registros de janeiro a julho de 2020.

Em todo Estado, o crescimento foi de 24% nas notificações do primeiro semestre.

Conforme o Bem-Estar Animal, serviço da Prefeitura de Cuiabá, dentre as ocorrências atendidas foram identificados 130 abandonos. As ações resultaram ainda no resgate de 176 animais, sendo que 171 desses bichos precisaram passar por tratamento clínico.

A delegada do meio ambiente, Liliane Murata, analisa que o endurecimento da lei de maus tratos a animais domésticos pode ter contribuído com esse crescimento dos registros. Esse crime pode render uma prisão de até 5 anos.

“As pessoas têm denunciado mais também. Estão em casa e veem alguma ocorrência nesse sentido e fazem a comunicação”, diz a policial.

Daniele Saad, titular da Diretoria de Bem-estar Animal, comenta uma situação bastante comum: as pessoas mudam de imóvel e deixam os animais para trás. Agora, durante esse momento pandêmico, porém, ficaram recorrentes os casos de proprietários que não têm condições financeiras para arcar com os custos dos bichos de estimação.

(Foto: Lisa / Pexels)

Tivemos alguns depoimentos de pessoas que faziam fubá com água para alimentar o cachorro, por estarem com dificuldades para comprar comida para a própria família. São situações muito delicadas e é preciso sensibilidade e atendimento humanizado, tanto com os animais, quanto com as pessoas. É preciso analisar a situação para atuar da melhor forma possível, com respeito à lei, aos animais, mas também entendendo o momento que vivemos”, destaca Saad.

Quem são os agressores?

Conforme a diretora, o perfil do agressor é geralmente de pessoas que ainda têm a visão do animal como um ser inferior e, por isso, não os tratam com respeito, mantêm preso com corrente curta, negligenciam atendimento veterinário adequado, não entendem as necessidades de carinho e atenção.

“Por outro lado, a maioria da população já pensa no bem-estar do animal, traz ele para o convívio da casa, fornece alimentação adequada, espaço, carinho, atenção”, ela pontua.

A delegada Liliane Murata comenta que a maioria dos casos de agressão têm com vítimas os cachorros. Assim como grande parte das ocorrências têm como autor o proprietário do bicho.

Como fazer a denúncia?

As denúncias podem ser feitas diretamente à Polícia Civil, por meio do telefone 197 ou (65) 3645-4902 e também pelo e-mail: [email protected]

Outra opção é entrar em contato com Bem-Estar Animal, em horário comercial, de segunda a sexta, das 8h às 12h e das 14h às 18h por meio do disque-denúncia 0800 647 7755.

Caso seja constatado o caso de maus-tratos, o animal fica sob a guarda da Bem-Estar após o tratamento, quando necessário, e após isso vai para adoção responsável.

A diretoria conta com o apoio de uma organização não-governamental que também acolhe os bichos quando o abrigo da Prefeitura está sem vagas.

Murata, da delegacia Especializada do Meio Ambiente (Dema), explica que nesses casos é conduzida uma investigação para a responsabilização do autor dos maus tratos.

LEIA TAMBÉM

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorPoliciais civis são alvos de operação contra falsificação de atestados médicos
Próximo artigoCovid-19: chilenos vacinados com CoronaVac terão dose de reforço