Convivência entre cães e crianças: existe raça mais indicada?

Discussão entrou em pauta depois que uma criança de 1 ano e meio morreu após o ataque de um chow chow, em Lucas do Rio Verde

Imagem ilustrativa / freepik

Toda raça de cachorro é passível de conviver com crianças. Quem garante é o educador canino Otáwio Pedroso da Silva Campos. Com alguns cuidados, a presença do pet não só não é prejudicial como ainda pode trazer inúmeros benefícios a longo prazo.

A relação entre os bichos e as crianças veio à tona depois que uma criança de um 1 ano e meio morreu após ser atacada por um cachorro da raça chow chow. O acidente ocorreu em Lucas do Rio Verde (330 km de Cuiabá), na terça-feira (3), e foi registrado como homicídio culposo.

Para Otáwio, é impreciso apontar uma causa para o ataque sem conhecer as circunstâncias do acidente. Por outro lado, o adestrador garante que a convivência entre cães e crianças é possível, independentemente da raça do animal.

“Todo cachorro tem condição de ser criado e conviver com uma criança. Mesmo aquelas raças tidas como impróprias, a exemplo do pitbull. Essa é uma raça, aliás, que resiste mais a brincadeiras com crianças que outras”, ele explica.

No caso do chow chow, segundo Otáwio, trata-se de uma raça que “têm menos paciência”.

(Foto: Misha Voguel / Pexels)

“O que percebo é que [o chow chow] são cães que aguentam menos passar por frustrações, tendendo a agressão. Mas já vi também animais da raça que são muito tranquilos. Reforçando que é o manejo da criação que define esse comportamento: com treinamento e ambientação, qualquer raça é passível de convivência”, ele sustenta.

Cuidados

“Supervisão, adestramento e não reforçar mordidas, rosnados ou atitudes de possessividade”. Essas são algumas dicas de Otáwio dá para a criação de cachorros em ambientes com crianças.

Veja outros cuidados essenciais para relação entre os bichos e os filhos.

1. Estabeleça limites

Explique para a criança que, quando o cão estiver comendo ou dormindo, ela não deve mexer com ele. É importante que animal tenha algum lugar na casa onde possa ir descansar sem ser incomodado.

2. Supervisione

Dependendo da idade, as crianças não possuem muita noção do que pode ou não ser feito com um cão. Crianças com 2 ou 3 anos podem apertar, puxar e beliscar o cão sem maldade e, com isso, irritá-lo, causando um acidente de mordedura.

É importante educar as crianças sobre como interagir com o animal.

Independentemente dessa educação prévia, os pais são responsáveis por supervisionar a interação entre as crianças e os animais. Os acidentes com cães costumam acontecer quando os pais não estão por perto, portanto, para garantir a segurança do seu filho e do seu animal, fique de olho.

3. Reforce interações positivas

Sempre que seu cão interagir de forma amistosa com o seu filho, reforce esse comportamento fazendo carinho no animal ou dando petiscos.

Também elogie a criança, quando demonstrar amor pelo cão.

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

1 COMENTÁRIO

  1. Eu também acredito que todo tipo de cão pode conviver com crianças. Porém, no meu ponto de vista eu acredito que é mais seguro quando você adota o cão quando ainda filhote, com isso a chance para o cão ter uma boa convivência com a criança é bem maior, diria eu que a chance de dar errado é quase nula. Mas mesmo depois que o cachorro crescer é bom que se faça um curso de adestramento de cães para que o seu cão possa controlar seus instintos pois dependendo do cão pode acontecer dele ferir de maneira grave até mesmo os adultos.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorProjeto que aumentava para 50 pontos o limite para perda da CNH é rejeitado por deputados
Próximo artigoPrevidência: contribuição especial para aposentados será elaborada por deputados