Cuiabá e VG devem adotar medidas restritivas conjuntas por 10 dias

Prefeitos fecharam acordo na manhã desta sexta-feira (26) e devem baixar decretos nas próximas horas com regras mais rígidas

Foto: Ednilson Aguiar/O Livre

Cuiabá e Várzea Grande devem adotar medidas semelhantes para frear o contágio diário pelo novo coronavírus pelos próximos 10 dias. A tendência é que ações sejam mais rígidas que as baixadas nessa quinta-feira (25) pelo Governo de Mato Grosso. 

Os municípios analisam restringir atividades comerciais e, até mesmo, fechar totalmente (lockdown) estabelecimentos que não sejam classificados pelo governo federal como essenciais.

O impasse, até agora, é que os prefeitos não veem o mesmo grau de necessidade de algumas atividades, por exemplo, salões de beleza e academias de ginástica. 

“Está sendo analisado a legalidade das ações que podem ser adotadas. O Supremo [Tribunal Federal] diz que Estados e municípios podem ser mais rígidos, mas não podem ser mais flexíveis”, disse o secretário de Comunicação da Prefeitura de Várzea Grande, Marcos Lemos. 

Os prefeitos Emanuel Pinheiro e Kalil Baracat – ambos do MDB – conversaram nesta sexta-feira (26) de manhã por telefone e chegaram a um acordo de adotar as medidas, e pelo mesmo prazo, que seria de 10 dias. O anúncio dos decretos deve ocorrer paralelamente. 

O decreto do governo estadual concede prazo de 48 horas para os municípios elaborarem e anunciarem as medidas mais rígidas para o controle do contágio. O governador Mauro Mendes (DEM) manteve algumas regras do decreto anterior (toque de recolher e horário funcionamento do comércio) e transferiu outras medidas para os municípios. 

Eles terão que, por exemplo, estabelecer turnos de trabalho para os segmentos da economia, com o objetivo de reduzir a circulação de pessoas nos horários de pico, no começo da manhã, ao meio-dia e no fim da tarde. 

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorButantan desenvolve a primeira vacina nacional contra covid-19
Próximo artigoPolícia Civil investiga fake news que derrubou site de vacinação em Cuiabá