Bebê indígena enterrada viva em aldeia ficará com o pai

Caso aconteceu há um ano e comoveu todo o país; a bisavó da criança chegou a ir presa

Bebê indígena Analu, enterrada viva pela família (Foto: Divulgação/MPE)

A bebê indígena Analu Kamayura Trumai, que comoveu o país ao ser resgatada com vida após ser enterrada pela avó, já está sob a guarda provisória do pai, Kayani Trumai Aweti, da etnia Kamayurá, na região de Peixoto de Azevedo (690 km de Cuiabá).

A medida foi autorizada pelo juiz Darwin de Souza Pontes, da 1ª Vara da Comarca de Canarana, no dia 14 de junho, após parecer do Ministério Público de Mato Grosso e estudos psicossociais.

“Depois de muitos estudos e avaliações de diversas situações, constatamos que a melhor opção era o pai biológico. Ele demonstrou interesse real e sério pela criança, sempre visitava a Analu na Casa da Criança de Canarana, apresentou um bom comportamento desde o início, então entendemos por bem entregar para ele”, disse o magistrado.

Pai da bebê Analu, o indígena Kayani Trumai Aweti (Foto: Reprodução/Arquivo Pessoal)

Com a concessão provisória da guarda da bebê, o juiz também expediu carta precatória ao magistrado responsável pela Comarca de Peixoto de Azevedo, Evandro Juarez Rodrigues, para fazer o acompanhamento periódico do caso.

A guarda definitiva da criança será analisada daqui a seis meses.

O caso

Filha de uma adolescente, a criança nasceu em casa, na parte da tarde. A mãe foi auxiliada pela avó e bisavó da bebê. Contudo, depois do parto, a bisavó saiu com a criança. Ela teria sido a responsável por enrolá-la em um pano e enterrá-la viva. Ela não comunicou o que fez a nenhuma autoridade.

O fato foi descoberto porque, depois do parto, a adolescente sofreu uma grave hemorragia e precisou de atendimento médico. Uma enfermeira, ao saber do acontecido, denunciou a situação para o chefe. A polícia também já tinha sido avisada por uma denúncia anônima.

Analu foi resgatada por uma equipe de policias militares já na noite daquele dia, 5 de junho de 2018. Ela estava enterrada em um terreno dentro de uma aldeia próxima à cidade de Canarana. O socorro foi registrado em um vídeo, que correu as redes sociais.

Nesse tempo, a criança passou um mês em tratamento na Santa Casa de Cuiabá e depois foi encaminhada para sua cidade, Canarana. Lá ela viveu em um abrigo e fez tratamento na Casa de Saúde Indígena (Casai) para garantir a saúde.

Assista ao vídeo:

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorDentistas encontram 526 dentes na boca de menino indiano
Próximo artigoHomem é atingido por tiro no Morro da Luz e alega que atirador era policial