Auxílio Brasil: levantamento indica que 2,7 milhões de famílias aguardam na fila de espera

Segundo o levantamento da CNM, o aumento pode ser explicado por alterações na matriz do programa

Foto: Ednilson Aguiar/O Livre

Levantamento feito pela Confederação Nacional de Municípios (CNM) sobre a demanda reprimida do programa Auxílio Brasil indica que, em abril deste, ano 2,7 milhões de famílias com perfil para receber os recursos ainda não foram contempladas. A fila de espera é considerada a maior desde novembro de 2021, quando o programa substituiu o Bolsa Família.

O estudo da entidade municipalista também aponta um recorte com os dados consolidados por Estado e região.

A atualização do levantamento foi feita com base nos dados divulgados pelo Consulta, Seleção e Extração de Informações do CadÚnico (Cecad) até abril deste ano. Em novembro do ano passado, a demanda reprimida por família chegou a 3,1 milhões. O número também teve expressivo crescimento em relação a março de 2021, mês anterior à última atualização do Cecad. Na ocasião, o volume de pessoas foi de 1,3 milhão.

Quando é levado em conta o cenário por pessoa apta a receber o recurso, a quantidade também só é superada no período de novembro do ano passado, quando 6,3 milhões de cidadãos aguardavam o auxílio, ante as 5,3 milhões em abril deste ano.

Programas diferentes, públicos diferentes

Segundo o levantamento da CNM, o aumento pode ser explicado por alterações na matriz do programa, como ampliação da renda per capita para definição de extrema pobreza, que passou de R$ 89 para R$ 105,01; e pobreza, que passou de um intervalo de R$ 89,01 a R$ 178,00 para R$ 105,01 a R$ 210,00.

Além disso, o benefício houve mudanças na composição familiar. O Bolsa Família cobria a faixa etária de 16 a 17 anos. Já o Auxílio Brasil passa a ser direcionado também a jovens de 18 a 21 anos incompletos.

Um dos dados que pode ajudar a compreender o crescimento da demanda reprimida foi o número de concessões de novos benefícios. De acordo com o levantamento da CNM, foram 41.196 novos beneficiários em abril de 2022, o segundo menor desde março do mesmo ano, quando o número chegou a 4.336. Já a maior ocorreu no mês de janeiro, com 3.046.911.

Dados regionais

Ao realizar o estudo por dados regionais, a CNM apontou que, em números absolutos, o Sudeste (981 milhões de famílias) e Nordeste (963 milhões de famílias) continuam sendo as regiões com maior demanda reprimida em abril de 2022. No entanto, Norte e Centro-Oeste têm apresentado o maior crescimento com, respectivamente, 232% e 139%.

Já o Estado com maior volume de demanda reprimida foi Rondônia, chegando a 321%, ou seja, passou de 5.939 mil famílias para 25.026 mil famílias. Logo em seguida, estão o Pará, com 193% (de 61.445 mil famílias para 180.370 mil famílias), e Roraima, com 187% (de 3.642 mil famílias para 10.485 mil famílias).

Vale lembrar que, se for levado em conta o contingente populacional, o Estado de São Paulo é o que mais apresenta demanda reprimida, com 429.484 mil famílias à espera da garantia de sobrevivência, chegando a crescer 80% entre março e abril.

Previsão orçamentária

Por fim, a autorização para o pagamento do Auxílio Brasil em 2022 chegou a R$ 89,8 bilhões, mas foram efetivamente pagos R$ 44,2 bilhões. Isso corresponde a apenas 49,3% do total autorizado.

O levantamento completo pode ser conferido aqui.

(Da Assessoria)

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorForma como presídios são geridos pode ser mais letal que a covid-19, aponta estudo
Próximo artigoCondenado por feminicídio, pai perde todos os direitos sobre os filhos