Aeroporto internacional: Marechal Rondon está a uma sala da Bolívia

Na Copa de 2014, voos para outros países pousaram e decolaram; agora, alguns metros quadrados impedem a retomada do serviço

(Foto:Ednilson Aguiar/ O Livre)

Há 23 anos, o aeroporto Marechal Rondon, em Várzea Grande (Região Metropolitana de Cuiabá-MT), alcançou o posto de “internacional”. Até hoje, entretanto, voos comerciais com destino ao exterior ainda não são realidade. Depois de inúmeras tratativas, o que separa Mato Grosso de seu primeiro destino mundo afora, a Bolívia, seria apenas uma sala.

Membros da bancada federal, governo do Estado e Infraero são unânimes em apontar os dedos para a Receita Federal: o órgão estaria travando a internacionalização do aeroporto.

Deputado federal, José Medeiros (Pode-MT) chegou a cobrar o presidente Jair Bolsonaro (PSL) via twitter. Medeiros, que desde o mandato como senador trata da questão, afirma já ter esgotado “todas as instâncias da Receita Federal”.

“É impossível o Estado se desenvolver com uma âncora puxando pra lá. A grande verdade é que é um descaso e eu vou levar o caso ao presidente da República. Não faz sentido insistir com quem não está comprometido com Mato Grosso”, manifestou o parlamentar ao LIVRE.

Recentemente em Brasília, o senador Jayme Campos (DEM) foi à Casa Civil e à Receita Federal na esperança de que o voo internacional finalmente decolasse do Marechal Rondon.

Enquanto isso, em Cuiabá, a Infraero encara um espaço vazio, que havia sido destinado à alfândega da Receita Federal.

Empecilho

A ideia do governo Silval Barbosa foi aproveitar a Copa do Mundo de 2014 para promover uma grande mudança no aeroporto. Uma reforma foi iniciada em 2012. Orçada em R$ 77,2 milhões, como tantas outras, ela acabou com valores aditados e prazo de conclusão extrapolado. Oficialmente, foi concluída apenas em 2018.

Aproveitando o canteiro de obras, a Infraero pretendia adequar o espaço para atender às exigências da Receita Federal. Por isso, uma relação de requisitos chegou a ser entregue à construtora responsável pela obra, a Engeglobal Construções. No entanto, depois do espaço concluído, as negativas continuaram.

De acordo com José Medeiros, a Receita alega que o espaço destinado à sala não está de acordo com os padrões. O problema estaria na metragem, menor do que o necessário para um terminal aeroportuário considerado de “médio porte”, diante do fluxo de passageiros.

“Isso aí está travado em um manual de procedimentos, de portaria, que não é nada. Não é lei. É simplesmente uma recomendação”, ponderou Medeiros.

Enquanto isso, a companhia Azul Linhas Aéreas já conseguiu liberação, tanto do governo boliviano quanto do Brasil, para operar entre os dois países.

“A Azul reforça o desejo de operar a rota Cuiabá-Santa Cruz de La Sierra, mas continua aguardando a internacionalização do aeroporto de Cuiabá, que está sendo avaliada pela Receita Federal”, respondeu ao LIVRE, via assessoria.

Mas, de acordo com a Infraero, apenas no período entre junho e julho de 2014, o marechal Rondon operou pousos e decolagens para países vizinhos como Chile, Argentina, Peru, Colômbia e a própria Bolívia. Passada a Copa do Mundo, o aeroporto voltou a se limitar a voos nacionais.

Leilão

Em março, o Marechal Rondon foi um dos 12 terminais leiloados para concessão com a iniciativa privada. Com um lance de R$ 40 milhões, o Consórcio Aeroeste, formado pelas empresas Socicam e Sinart, arrematou este e outros três aeroportos em Mato Grosso.

Ao LIVRE, a assessoria do consórcio informou que, desde a homologação do leilão, em maio, faz pré-transição das gestões. Garantiu ainda que vai cumprir os calendários estipulados em edital e que fará diversas reuniões de alinhamento.

Questionada se tem previsão de reestruturar o espaço da Receita Federal, para que a internacionalização do aeroporto saia do papel, informou: “Todos os aeroportos do bloco centro-oeste passarão por melhorias, com investimentos para aumentar a qualidade dos serviços oferecidos aos passageiros e funcionários”.

Por sua vez, a Receita Federal informou ao LIVRE que “continua a envidar todos os esforços para que o Alfandegamento do Aeroporto Marechal Rondon ocorra o mais brevemente possível”.

Em nota, disseram ainda que trabalham com a expectativa de que, tão logo a concessionária Aeroeste assuma a administração do aeroporto, “implemente as adequações estruturais legais necessárias, que permitam o alfandegamento de passageiros no Aeroporto Mal Rondon, em conformidade as normas que regem a matéria, garantindo segurança, agilidade e privacidade aos passageiros”.

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorCinco perguntas para um atendente de telemarketing
Próximo artigoTiroteio em feira deixa três mortos e 11 feridos na Califórnia

O LIVRE ADS