Zine de coletivo cuiabano é selecionado para festival de literatura independente em SP

Publicação experimenta a ideia do “ser na cidade”, a partir de ilustrações e poemas que colocam em diálogo cultura urbana e natureza

Recurso criativo e artesanal de baixo custo frequentemente utilizado para a divulgação de trabalhos autorais, a zineSer Dentro do Ser”, de autoria do coletivo cuiabano Coma a Fronteira, foi selecionada para duas importantes mostras de literatura independente. Trata-se da 4ª edição do Festival de Leitura e Literatura de Bauru (FELELI), realizado no dia 27 de abril, em São Paulo, junto a 3ª Feira Interativa de Zines e Afins (FIZ).

De acordo com os organizadores da zine, a publicação experimenta a ideia do “ser na cidade”, a partir de ilustrações e poemas que colocam em diálogo cultura urbana e natureza. Os textos são de autoria de Caio Ribeiro e Marcella Gaioto, ambos fundadores do coletivo Coma a Fronteira.

“A ideia parte de algumas reflexões e leituras acerca das relações que criamos com os espaços onde ocupamos. Apesar de vivermos na cidade, tem sempre algum bicho ao redor. Qualquer bicho. Acho que quando a gente volta o olhar para tudo que está ao redor, é impossível não nos deparar com um gato, um cachorro, uma pomba…”, conta Marcella, responsável pela concepção, montagem e ilustração da zine.

Desta forma, eles se debruçam sobre a origem mato-grossense e seu laço com figuras animalescas da região, característica comum a identidade visual das artes locais. Peixes, felinos, macacos, jacarés e outras tantas espécies são representadas na publicação.

“Tentamos brincar com as metáforas e as imagens que cada bicho nos inspirou e, por final, deixamos para o leitor a tarefa de decifrá-las, para que cada leitura seja uma experiência pessoal”, complementa a artista.

O formato de uma zine costuma ser bastante artesanal e, por isso, não atende a padrões rígidos de tamanho, fonte e diagramação. Por ser um produto que exige pouco custo na edição e nas cópias, acaba sendo bastante acessível para quem gosta de consumir arte de qualidade sem pesar no bolso.

O “Coma a Fronteira” é um coletivo de artes híbridas e intervenções urbanas, que tem o espaço público e a cidade como laboratório criativo. Os trabalhos sempre buscam o cenário autoral e independente. Além da zine, o coletivo já fez trabalhos com lambe-lambes e intervenções performáticas.

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorVale diz que evacuação em Barão de Cocais foi preventiva
Próximo artigoCuiabá é tema de escola de samba do RJ; cultura ribeirinha e artista servem de inspiração