Zaqueu teria assumido grampos “a mando do governador”

Governo de Mato Grosso

Coronel Zaqueu Barbosa

Coronel Zaqueu Barbosa e o promotor Mauro Zaque, então secretário de Segurança Pública de Mato Grosso

Em depoimento ao Ministério Público Estadual (MPE), o promotor Mauro Zaque de Jesus afirma que o coronel Zaqueu Barbosa assumiu a realização dos grampos telefônicos conhecidos como “barriga de aluguel”. O militar teria afirmado, contudo, que “estavam fazendo isso a mando do governador, inclusive desde a época das eleições de outubro de 2014”.

O depoimento de Mauro Zaque consta no pedido de arquivamento feito pelo MPE de uma representação do governador Pedro Taques (PSDB) contra o promotor. O documento é assinado pelo procurador-geral em substituição, Hélio Fredolino Faust, e pelo coordenador do Núcleo de Ações de Competências Originárias (NACO-Criminal), promotor Antonio Sergio Cordeiro Piedade.

-Taques diz que Zaque prevaricou ao esperar 15 meses para denunciar

-Zaque e Galindo teriam apresentado o esquema de grampos em Power Point ao governador

“Voltando à reunião com Zaqueu e [coronel Airton] Siqueira, o declarante falou aos mesmos que no mesmo momento estava exonerando o então secretário Paulo Taques, e falou para os mesmos que ambos sofreriam a mesma consequência; que o Zaqueu no ato assumiu que realmente ‘fizemos as irregularidades’, inclusive falou que podia marcar a data de troca de comando, mas asseverou, todavia, que estavam fazendo isso a mando do governador, inclusive desde a época das eleições de outubro/2014”, lê-se em trecho do documento.

O coronel Zaqueu ocupava o cargo de comandante-geral da Polícia Militar, enquanto o coronel Siqueira chefiava a Casa Militar.

Em seguida, Taques teria viajado a São Paulo para encontrar o então chefe da Casa Civil, Paulo Taques.

“Todavia, o declarante decepcionou-se com o governador, pois o mesmo retomou de viagem de São Paulo e já não foi mais a mesma conversa, de fato não exonerou o então secretário Paulo Taques, e também disse que ‘iríamos conversar pra ver a exoneração do Zaqueu e do Siqueira mais tarde, com tempo…’”, diz Mauro Zaque em seu depoimento.

O governador nega de maneira veemente ter conhecimento sobre o esquema dos grampos envolvendo membros do alto escalão. Taques diz ter sido informado em conversas informais por Mauro Zaque sobre as escutas telefônicas ilegais e que, a todo momento, pedia que o promotor, então secretário de Segurança Pública, colocasse a denúncia “no papel”. Taques diz ter recebido apenas um primeiro ofício, que foi encaminhado ao Gaeco (Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado) e arquivado.

Um segundo documento protocolado pelo ex-secretário e seu adjunto à época, promotor Fábio Galindo, no gabinete do governador foi alvo de fraude, de acordo com um relatório da Controladoria Geral do Estado (CGE). O documento teria ficado por cerca de quatro horas no gabinete antes de ter seu conteúdo substituído por um processo relativo a obras no município de Juara.

No pedido de arquivamento, o MPE pede ainda que uma cópia do processo seja enviada à Procuradoria-Geral da República para apurar possíveis crimes supostamente cometidos pelo governador. O Núcleo de Ações de Competências Originárias Cível (NACO-Cível) do MPE também deverá apurar um possível caso de improbidade administrativa por parte do governador, de servidores e ex-detentores de cargos comissionados no executivo estadual.

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorAdriane Galisteu derruba Faustão durante o quadro ‘Dança dos Famosos’
Próximo artigoCandidatos que fotografaram prova serão excluídos