Zaqueu chora em audiência

Ele lembrou que ao ser convidado para assumir o comando da PM seu pai estava com câncer

Zaqueu, que em 2014 era sub-chefe de Estado Maior e em 2015 assumiu como comandante-geral da PM, chorou durante a audiência ao dizer que quando entregou o cargo para o então secretário de Segurança Pública, Fábio Galindo, seu pai estava com câncer.

O coronel ressaltou, ao ser questionado pelo promotor de Justiça, que sua indicação ao cargo de comandante-geral não teve cunho político.

O coronel disse ainda que nunca mencionou o nome do governador Pedro Taques. Disse somente que o cargo de comandante-geral da PM é da secretaria estadual de Segurança Pública e do governador. “Mas entendo que é um cargo de confiança, mas não político”, completou o réu.

O magistrado indagou Zaqueu se tinha conhecimento que jornalistas e advogados estavam na lista dos grampos; o coronel, por sua vez, negou ter ciência.

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorDia de fiscalização em aeroportos pode gerar multas, informa Procon-SP
Próximo artigoTribunal americano defende o direito do porte de arma ostensivo

O LIVRE ADS