“Wet” markets chineses são reabertos ofertando cobras, morcegos, ursos, cachorros e mais

Lição não foi aprendida antes e agora o futuro segue incerto

Já ficou claro através de diversas pesquisas importantes que o novo coronavírus que causa a COVID-19, uma síndrome respiratória grave, teve origem na China, em Wuhan, em um “wet” market – mercado de diversos alimentos com animais vivos que são abatidos no momento da compra.

Através do sequenciamento do DNA do vírus, identificaram que a nova cepa capacitada a transmitir de humano para a humano, tem genes de DNAs de morcegos e pangolins, dois dos animais silvestres mais vendidos nos mercados desse tipo.

Com jornalistas terceirizados do jornal Daily Mail com câmeras escondidas – agora os guardas impedem qualquer registro dentro e fora dos mercados, o mundo descobriu mais uma vez que os chineses não aprenderam a lição e continuam empilhando animais vivos e mortes em um mesmo único ambiente nada higienizado, repleto de sangue, fezes, urina e pus.

Um mercado em Dongguan, no sul da China, segue vendendo morcegos, cobras, lagartixas e sapos, muito usados na medicina tradicional chinesa afirmando que resolvem problemas de impotência e outros males.

Confira nas imagens:

– “Os mercados voltaram a trabalhar do mesmo modo que antes do coronavirus”, assinalou um correspondente do Daily Caller que visitou a praça.

Ainda que esses mercados ofereçam variedades de vegetais e pescados, os problemas são potencializados quando ocorre comércio de animais silvestres, quase sempre presentes nesses locais. É um problema estrutural do comércio alimentar da China que segue sem solução e que novamente gerará novos vírus assim como o coronavírus, a SARS e a gripe aviária.

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorLocação comercial x Coronavirus
Próximo artigoReabertura estratégica

O LIVRE ADS