Wellington busca coalizão e prepara linha da campanha ao governo

Senador quer enfrentar Pedro Taques nas urnas e diz que no seu palanque não cabe radicalismo

(Foto:Ednilson Aguiar/ O Livre)

O senador Wellington Fagundes (PR) afirmou que, em sua eventual campanha para governador de Mato Grosso, deve adotar uma linha de não entrar no campo das ofensas pessoais. Pré-candidato da oposição para concorrer com a provável candidatura à reeleição do governador Pedro Taques (PSDB), ele promete ter uma postura agregadora para montar uma coalizão de oposição.

“Eu não vou entrar em xingamento, em provocações. Vou mostrar que tenho capacidade de agregação, de reunir em torno de um projeto que possa ser confiável à população”, afirmou Fagundes, em entrevista à Rádio Jovem Pan, na manhã desta segunda-feira (16).

Ele afirmou, ainda, que, para participar da coalizão, os partidos deverão ceder em algumas posições ideológicas. “Na nossa coligação, não vai caber radicalismo. Cabe o PT, cabe o PC do B, cabem todas as linhas ideológicas, mas não com idealismo de ‘aqui eu não cedo’. Todos têm obrigação de ceder um pouco, para que possamos trazer algo inovador no Estado”, disse.

O senador afirmou, ainda, que não quer entrar na campanha com a obrigação de ganhar. “Eu quero fazer uma campanha com o espírito aberto, como foi a campanha passada. Chamei minha equipe e falei ‘uma campanha majoritária você pode ganhar ou perder. Eu quero sair com um conceito melhor do que quando entrei’”, disse.

Sem diálogo

Fagundes criticou a postura do governador Pedro Taques, a quem tachou como difícil de dialogar. “Eu acho que, em Mato Grosso, não cabe um governante que se ache dono da verdade”, disparou. O senador afirmou que é preciso saber priorizar entre as diversas demandas da sociedade.

“Eu vi o governador dizendo que vai provocar para discutir os números, porque quer saber quem é que conhece mais os números. Ora, eu não preciso conhecer os números. Eu preciso ter sensibilidade humana para conversar com as pessoas e para priorizar dentro da pressão. Porque a sociedade é uma panela de pressão”, afirmou.

 

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorFisioterapeuta é acusada de atropelar adolescentes e fugir
Próximo artigoDeputado aciona Taques e secretário no MPF por falta de repasses a filantrópicos

O LIVRE ADS