Wellington e Taques pedem busca e apreensão e quebra de sigilo bancário de Valtenir

Pedido foi feito à Procuradoria Regional Eleitoral

(Foto:Ednilson Aguiar/ O Livre)

Os candidatos ao Governo do Estado Wellington Fagundes (PR) e Pedro Taques (PSDB) pediram, nesta sexta-feira (5), que a Procuradoria Regional Eleitoral investigue um vídeo em que o deputado federal e candidato à reeleição Valtenir Pereira (MDB) aparece, supostamente, recebendo dinheiro do coordenador de campanha de Mauro Mendes (DEM), que concorre ao cargo de governador.

As defesas do republicano e do tucano pedem que seja realizada busca e apreensão e quebra de sigilo bancário do deputado e do coordenador de campanha do democrata, Mauro Carvalho. Ainda há o pedido para que sejam analisadas imagens de circuito interno do edifício onde funciona a empresa do coordenador de campanha de Mauro Mendes.

Valtenir alegou, por meio de um vídeo postado em sua página no Facebook, que o fato ocorreu em 2010. De acordo com ele, o dinheiro seria para a organização do “Movimento Mato Grosso Muito Mais”, quando o atual candidato Mauro Mendes, à época, encabeçava chapa ao Governo de Estado.

Valtenir ainda afirma que a intenção do vídeo é prejudicar sua candidatura à reeleição.

Já a defesa de Wellington Fagundes alega que a “história está mal contada, que merece a devida investigação”.

No pedido de investigação, também é questionada a data alegada por Valtenir, uma vez que em março deste ano o postulante à reeleição aparece com a mesma roupa que usou no dia em que supostamente estaria recendo o dinheiro.

No documento, a defesa do republicano alega que há indícios de que o vídeo, na verdade, tenha sido gravado no dia 02 de outubro deste ano. Os advogados do candidato Wellington ainda destacam para a procuradora regional eleitoral Cristina Nascimento de Melo que o episódio pode evidenciar ocorrência de diversos ilícitos penais eleitorais.

“Como se vê, qualquer leigo ao analisar os vídeos e as postagens do deputado verificam que o porte físico, as roupas e sua aparência são idênticas em ambos os momentos, sendo verdadeira “balela” afirmar que o vídeo vazado e as referidas postagens têm diferença temporal de aproximadamente 8 anos. A história contada pelo Deputado não casa com os fatos, nobre procuradora”.

Outro ponto levantado no pedido de investigação é o fato de o dinheiro ter sido entregue a Valtenir pelo coordenador de campanha do democrata, Mauro Carvalho. “O Sr. Mauro Carvalho é velho conhecido das autoridades policiais e eleitorais, visto que possui diversos casos de ‘caixa 2’ sob investigação, bem como já foi citado em delações, como por exemplo do ex-Governador Silval Barbosa”.

Prestação de contas de 2010

A defesa ainda pontua no documento enviado à Procuradoria Regional Eleitoral que, mesmo comprovada a alegação do deputado Valtenir Pereira de que o vídeo é de 2010, o dinheiro pode não ter sido declarado na prestação de contas do PSB, partido do qual o deputado federal e Mauro Mendes já foram filiados.

“Razão pela qual ainda caberia denúncia pelo crime tipificado no art. 350 do Código Eleitoral, isto porque, o seu prazo prescricional é de doze anos, nos termos do art. 109 do CP, ou seja, somente ocorreria no ano de 2022”, alega a defesa de Wellington Fagundes.

Os advogados ainda pontuam que se comprovadas as suspeitas no sentido de que os crimes, em tese, estariam sendo cometidos no ano de 2018, configura-se grave risco à normalidade e legitimidade do pleito.

“Assim como a liberdade do voto, condutas estas que podem e devem levar à cassação do registro dos candidatos envolvidos, assim como inelegibilidade, pela possível arrecadação e gasto ilícitos de recursos bem como captação ilícita de sufrágio e abuso de poder econômico”.

A defesa de Pedro Taques também questiona a tempestividade do fato. “Vê-se, portanto, indícios claros de diversos ilícitos eleitorais, que permanecem mesmo que o vídeo não se refira a este pleito, pois poderia configurar, por exemplo, os delitos dos artigos 350 e 299, ambos do Código Penal”.

Outro lado:

Em um pedido de abertura de inquérito protocolado na manhã de quinta-feira (04) no Ministério Público Federal, o deputado federal Valtenir Pereira registrou que Mauro Carvalho não é nem nunca foi coordenador da campanha de Mauro Mendes.

Valtenir explicou que o coordenador-geral da campanha do democrata é o senador Cidinho Santos (PR), sendo que o coordenador financeiro é Francisco Serafim de Barros.

“A toda evidência, portanto, estamos diante de mais uma fake news, razão pela qual pugno na presente oportunidade pela abertura de inquérito criminal para a apuração do crime tipificado pelo artigo 57-H e parágrafos da Lei 9504/97”, diz trecho do pedido.

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorInflação pelo IPCA tem alta de 0,48% em setembro
Próximo artigoA carabina do padre

O LIVRE ADS