Wellington acusa Mauro e Taques de serem omissos com a obra do VLT

Wellington também acusou Mauro de cruzar os braços e deixar Taques deixar as coisas a Deus-dará

(Foto:Ednilson Aguiar/ O Livre)

O candidato ao Governo de Mato Grosso pelo PR, Wellington Fagundes, acusou o concorrente Mauro Mendes (DEM) de ser um dos responsáveis pelo fato de as obras do VLT (Veículo Leve sobre Trilhos) não estarem concluídas. A afirmação ocorreu durante sabatina realizada, nesta quinta-feira (27), pelo LIVRE.

O republicano afirmou ainda que o ex-prefeito de Cuiabá Mauro Mendes e o governador e candidato à reeleição Pedro Taques (PSDB) foram omissos com o modal. Para Wellington, a omissão do democrata se deu porque ele cruzou os braços.

“Quem é a maior autoridade do município não é o presidente da República, nem o governador, é o prefeito. E qualquer obra para acontecer no município precisa do alvará de licença, e o prefeito Mauro, à época, foi omisso e deixou o Estado ir fazendo as coisas a Deus dará”, disse durante a entrevista.

Para Wellington, o governador também foi omisso porque ficou quatro anos e não tomou uma decisão para que a obra do VLT fosse concluída. “Quando ele assumiu [como governador], eu, na oposição, aconselhei a vender às máquinas, que ainda estavam lá novinhas”.

O candidato destacou ainda que se os vagões tivessem sido vendidos para outros estados poderia ter aplicado o recurso. “Gastou R$ 500 milhões e não fez nenhum metro de trilho. Ou seja, já pagou R$ 500 milhões e não foi usufruído em nada pela população”.

Wellington Fagundes ressaltou ainda que o Veículo Leve sobre Trilhos não pode ficar inacabado. “O VLT tem que ser concluído, não pode ficar ali como uma cicatriz entre Várzea Grande e Cuiabá”.

Durante a entrevista, ele também criticou que obras foram iniciadas e não concluídas pela gestão de Mauro Mendes, enquanto prefeito de Cuiabá, e de Pedro Taques (PSDB), como atual governador.

O republicano destacou que vai encerrar a campanha sem atacar os concorrentes, mas enfatizou que se provocado responderá, já que a população cobra isso dele. “Não sou de briga, sou um homem de luta, que é diferente de quem quer partir para a baixaria. E minha campanha não é assim e não será assim”.

O candidato também respondeu a temas polêmicos, como liberação das drogas, casamento homoafetivo e escola sem partido.

Wellington foi o último candidato a participar da série de sabatinas realizadas pelo LIVRE. Além do republicano, foram entrevistados os postulantes ao Governo do Estado: Arthur Nogueira (Rede), Mauro Mendes (DEM), Moisés Franz (Psol) e Pedro Taques (PSDB).

Todos os 11 postulantes ao Senado por Mato Grosso foram convidados e apenas o candidato pelo DEM, Jayme Campos, não marcou presença.

Veja na íntegra a sabatina com o candidato ao Governo de Mato Grosso Wellington Fagundes:

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorPreço do boi gordo tem alta de 0,96% na última semana em Mato Grosso
Próximo artigoTRE autoriza candidatura da chapa de Selma Arruda ao Senado

O LIVRE ADS