Voluntários fazem ação para mostrar que, apesar da pandemia, outros pacientes precisam de carinho

O grupo Girassol da Alegria fez uma carreata e entregou doações em cinco entidades de Cuiabá

Foto: Arquivo pessoal

O último sábado (12) foi um dia de solidariedade e emoção em cinco entidades filantrópicas de Cuiabá: o Hospital de Câncer, o abrigo Bom Jesus, o Hospital Júlio Müller, a Casa Apoio (CASS) e a AACC.

O motivo, é que o grupo de voluntários Girassol da Alegria, que já atua em Cuiabá há 17 anos, promoveu uma ação para mostrar para a população que, apesar da pandemia de covid-19, ainda existem muitos outros pacientes em tratamento e eles precisam de carinho.

Dezenas de voluntários se reuniram e realizaram uma carreata, que passou pelas cinco entidades e por mais algumas ruas de Cuiabá. Além disso, doações foram entregues nos cinco locais, conforme a maior necessidade de cada entidade.

A ideia

Em tempo comum, o Girassol da Alegria é divido em grupos, separados por cores, que, simultaneamente visitam entidades filantrópicas de Cuiabá a cada 15 dias, aos sábados, fazendo rodízios, para que a cada quinzena um grupo visite uma entidade diferente, conheça a realidade daquelas pessoas e leve alegria aos pacientes em tratamento.

Com a pandemia, porém, desde março as visitas foram suspensas, para a segurança dos enfermos. Somente o lanche para os idosos do Abrigo Bom Jesus continuava sendo levado.

No dia 10 de setembro o grupo comemora o aniversário do Girassol da Alegria e, esse ano, com tudo parado pela pandemia, não teriam como comemorar, pois nem visitas podiam fazer. Foi então que começaram a pensar no que podiam fazer para demonstrar amor para os pacientes sem colocá-los em risco.

Segundo a criadora do grupo Girassol da Alegria, Dejanira Divina da Silva Pirovani, 62 anos, a primeira ideia foi um vídeo, mas isso pareceu pouco para eles.

“Porque sabíamos que as pessoas continuavam os tratamentos, que todas essas entidades que visitamos continuam funcionando e que as doações diminuíram muito”, relatou Dejanira.

Foi a partir daí que começaram a se organizar entre os voluntários para fazer uma grande doação às entidades que visitavam antes da pandemia.

Após conversarem com cada entidade para saber o que cada uma precisava e organizarem tudo que seria doado, faltava pensar em uma forma legal de entregar não só algo material, mas também o sentimento, e, assim, surgiu a ideia da carreata.

Foto: arquivo pessoal

Carreata

“Tudo aconteceu de uma forma tão linda e emocionante. Temos a certeza que é Deus que conduz os passos desta missão e família, chamada Girassol da Alegria”, disse Dejanira.

Às 16h30 do sábado (12) o grupo saiu do Hospital de Câncer, com todos os carros decorados, com pinturas e balões, e todos os voluntários uniformizados.

Do hospital, foram para o Abrigo Bom Jesus, onde os idosos já aguardavam a visita inusitada: a passagem da animada carreata. No abrigo as doações foram de lençóis e toalhas, como pedido.

Depois, os voluntários foram para o Hospital Júlio Müller, onde brinquedos e materiais para pintura foram entregues para a brinquedoteca da ala infantil.

Em seguida, se dirigiram para a Casa Apoio (CASS), onde foram entregues produtos de limpeza.

De lá, a carreata foi animada para a A Associação de Amigos da Criança com Câncer (AACC), onde as doações haviam sido entregues pela manhã, visto que o pedido havia sido carne e produtos de limpeza.

Girassol da Alegria

Criado há 17 anos, o Girassol da Alegria é um grupo de voluntários que nasceu após a professora e geógrafa Dejanira Divina da Silva Pirovani perder a filha, Ana Paula Pirovani, de 15 anos, para o Sarcom de Ewing, um tipo de câncer ósseo.

Sempre alegre e apaixonada por girassol, Ana Paula tinha muitos amigos. Quando ela faleceu, Dejanira resolveu convidar a todos para seguir um chamado para continuar levando a alegria de Ana Paula para o mundo. Assim nasceu o Girassol da Alegria.

“Tudo começou com um anjo, que permaneceu entre nós por 15 anos, chamada Ana Paula Pirovani. Ela deixou um legado que nos inspirou, apesar da imensa dor, a conseguir criar essa linda família chamada Girassol da Alegria, que, inicialmente, não tínhamos noção por quanto tempo duraria e já são 17 anos de intensas e imensas alegrias”, disse Dejanira.

Dejanira Divina da Silva Pirovani (Foto: Alair Ribeiro/MidiaNews)

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorNa semana mais quente do ano, o Dia da Árvore ganha mais importância com ações ambientais do Grupo São Benedito
Próximo artigoFrança é oficializado candidato e diz que Bolsonaro é “carro-chefe”