Volta às aulas: psicóloga alerta sobre cuidados emocionais

Segundo especialista, a atenção deve estar além dos protocolos de higienização

Imagem Ilustrativa (Foto: Arquivo Agência Brasil)

Os profissionais de educação precisarão se reinventar quando voltarem à rotina escolar. Devido à pandemia, muitos protocolos sanitários foram instalados e para serem atendidos, será preciso criatividade e inovação nas práticas pedagógicas e, principalmente, nas formas de acolhimento aos estudantes.

Apesar de haver expectativa quando ao retorno, já que suspensão das aulas presenciais duram mais de 4 meses, a consultora educacional e psicóloga, Carla Jarlicht, diz que é preciso ficar alerta. Além das questões de higienização, é preciso dar atenção aos aspectos emocionais, tanto de professores quanto de alunos.

Ela defende a necessidade de um debate transparente entre todos os envolvidos: estabelecimentos, pais, alunos, professores, poder público e sociedade.

Professores precisam se reinventar em metodologia e nas formas de manifestar o afeto (Foto: Freepik)

“Serão muitos os desafios. E vão dos aspectos estruturais e organizacionais da escola, que deverá atender aos protocolos, aos aspectos emocionais, que envolvem não só o acolhimento dos alunos como também o das famílias. Todos estão, em alguma medida, sensíveis a tudo que vem acontecendo e, de certa forma, inseguros, ansiosos e um tanto esperançosos com o que está por vir”, afirma Jarlicht.

Para ela, o retorno ao ensino presencial exigirá do professor novas estratégias para a reinvenção tanto das relações afetivas quanto do trabalho pedagógico em si, repensando os projetos, de acordo com a avaliação diagnóstica dos alunos, contemplando novos encaminhamentos, além de outros combinados para a rotina, que será inteiramente diferente.

“Essa nova realidade será um grande desafio para todos na escola, sobretudo para os professores que são o porto seguro dos alunos, suas famílias e coordenação. Portanto, o acolhimento deve também se estender a eles. Gestores e coordenadores precisam estar abertos para ouvir esses profissionais nas suas demandas e trabalhar em parceria”, argumenta.

Leiam também:

Carla lembra que a escola é um lugar de encontro. E que seria fundamental criar um espaço para diálogo transparente com as famílias e a comunidade para que, juntos, possam pensar sobre esse retorno às aulas e sobre como viabilizar a prática de tais protocolos.

“Discutir, ponderar, acalmar as angústias, alinhar as expectativas e planejar soluções possíveis. Mais do que nunca, num contexto como a de uma pandemia, precisamos pensar coletivamente, compartilhando a responsabilidade entre todos os envolvidos”, salienta.

A especialista destaca, citando o educador português José Pacheco, que “escola não é edifício; escolas são pessoas”.

“Sendo assim, para além de todos os cuidados de higienização, que são importantíssimos, temos que focar na saúde emocional de crianças e adultos. A situação vivida ainda é delicada sob muitos aspectos e, sobretudo, o aspecto emocional. Muitas e diversas foram as perdas, não podemos fechar os olhos para isso, não será possível continuar de onde havíamos parado, como se tudo tivesse sido um feriado prolongado”, resume.

(Com Assessoria)

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorEmpregado é agredido com barra de ferro após pedir adiantamento ao patrão
Próximo artigoMPF denuncia 9 ex-deputados e prefeito de Cuiabá por “esquema de mensalinho”