Você usa protetor solar? MT tem umas maiores incidências de câncer de pele do país

Cuidados desde a infância são fundamentais para prevenção

(Foto: Luiz Alves/Prefeitura)

Mato Grosso é um Estado privilegiado em belezas naturais e sol durante todo o ano. O que é perfeito para quem quer se refrescar em rios, cachoeiras ou na piscina do quintal de casa. No entanto, esse mesmo sol é responsável pelo envelhecimento e do câncer de pele, ainda mais no verão, quando os índices de raios ultravioletas estão mais intensos.

Por este motivo, a incidência de câncer de pele é maior no Estado do que em outras regiões do país. Apesar da baixa notificação, o que compromete as estatísticas, os profissionais asseguram que o número de pessoas diagnosticadas com a doença em Mato Grosso é alto.

A Campanha Dezembro Laranja desde ano, que visa alertar sobre a doença, destaca a importância dos cuidados com o sol desde a infância.

A Sociedade Brasileira de Dermatologia pontua que os hábitos de exposição solar das crianças são capazes de influenciar no envelhecimento e no desenvolvimento do câncer de pele. A doença tem fator acumulativo e, geralmente, têm incidência maior entre os 60 e 70 anos.

Desta forma, é importante cultivar hábitos de fotoproteção como o uso de óculos de sol, blusas com proteção UV, bonés, chapéus, filtro solar com proteção superior a 30 e evitar a exposição solar entre 9h e 15h.

O cirurgião oncológico Rafael Sodré Vasconcellos, da clínica Oncolog, explica que com a exposição solar as células podem sofrer mutações até que fiquem cancerígenas.

“Quando você é exposto desde criança até a fase adulta, isso é um fator de risco. Os tumores costumam aparecer na fase idosa e se esses tumores de pele não forem tratados no início podem virar casos bem graves, até com cirurgias mutiladoras. Existem pacientes que perdem o nariz, que perdem a orelha”, afirma o profissional.

Dados do Instituto Nacional do Câncer (Inca) apontam que o câncer de pele corresponde a 27% de todos os tumores malignos no país. Por ano, são 185,4 mil novos casos registrados. Existem dois tipos de carcinomas: os melanomas e os não melanomas.

“O não melanoma pode ser dividido em basocelular e espinocelular. Baso representa cerca de 79% dos tumores de pele, enquanto o espino tem 20%. O melanoma é o mais raro e corresponde a apenas 10% da doença. A diferença é a origem do tumor. O melanoma vem de uma célula que dá o pigmento à pele, já o não melanoma vem da camada mais superficial da pele”, explicou.

Apesar de menos recorrentes, os cânceres melanomas têm capacidade maior de disseminação e, por isso, são mais agressivos. Riscos incluem a metástase e o comprometimento de órgãos como pulmão, cérebro e fígado. Nos casos menos graves, a doença pode ser resolvida com cirurgia.

Diagnóstico precoce é fundamental para evitar que a doença se espalhe. É preciso ficar atento às feridas que coçam, descamam, mudam de cor e não cicatrizam com facilidade. Consulta com dermatologista, clínico geral ou médico oncologista é recomendada para melhor avaliação.

“Uma coisa importante é que existem áreas do corpo que a gente não enxerga, como por exemplo as costas. Então é preciso pedir para outra pessoa olhar e ficar atento a esse tipo de lesão. A gente pega bastante paciente que não conseguiu perceber a ferida, só viu quando já estava sangrando na camisa, por exemplo, então é perceber também as áreas em que não é possível enxergar direito”, finalizou.

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anterior“Restodontê”? Listamos dicas para você guardar a ceia de fim de ano sem riscos
Próximo artigoLiminar suspende trecho da Ficha Limpa sobre inelegibilidade