Você sabe quais profissões oferecem mais risco de contágio pelo novo coronavírus?

A resposta é e não é tão óbvia quanto parece

Imagem Ilustrativa (Foto: Freepik)

Os profissionais do setor da saúde, óbvio, lideram essa lista. Mas algumas outras profissões –que não estão na linha de frente ao combate ao novo coronavírus – também podem provocam uma exposição considerável ao contágio.

O levantamento foi feito por pesquisadores do Instituto Alberto Luiz Coimbra de Pós-Graduação e Pesquisa de Engenharia (COPPE/UFRJ) e divulgado pela CNN Brasil.

O LIVRE fez uma lista das atividades que não têm nada a ver com o setor da saúde.

1. Comissários de voo

(Foto: Ednilson Aguiar/ O Livre)

Desde o final de março, quando as primeiras medidas de isolamento social e fechamento de atividades econômicas não essenciais foram colocadas em prática, o número de voos no Brasil foi reduzido em 90%.

Mas os 10% restantes continuam tendo comissários de bordo para atender os passageiros. E esses profissionais, segundo o levantamento da COPPE têm 90% de chance de serem contaminados com o novo coronavírus.

O fato de estarem em uma aeronave onde o mesmo ar – ainda que filtrado – circula durante o período do voo é a explicação.

2. Cabeleireiros e maquiadores

(Foto: Ednilson Aguiar/ O Livre)

De acordo com a pesquisa, mesmo com os salões fechados por conta das ordens de isolamento social, esses profissionais ainda têm 73% de chance se serem infectados enquanto trabalham.

É que a maioria tem atendido os clientes em casa, afinal, é preciso sobreviver também à crise econômica. E durante a prestação de serviço, o contato físico e a proximidade com o rosto do cliente é inevitável.

3. Motoristas de ônibus

(Foto: Ednilson Aguiar/ O Livre)

O risco, neste caso, é de 70% e, conforme destacado pela pesquisa, pode ser reduzido se não houver a necessidade de que estes profissionais – além de conduzir o ônibus – tenham que vender os bilhetes para os passageiros.

4. Entregadores e carteiros

(Foto: Ednilson Aguiar/ O Livre)

Vale para os funcionários dos Correios e para quem trabalha entregando qualquer tipo de produto que tenha passado a ser vendido no sistema delivery. O risco de se contaminar, de acordo com a pesquisa, também é de 70%.

De acordo com a Organização Mundial de Saúde (OMS) ainda não é possível afirmar quanto tempo o novo coronavírus sobrevive em superfícies como caixas e envelopes. Mas é certo que há um tempo – que pode ser de horas ou dias – suportado pelo vírus.

5. Caixa de banco e de supermercado

(Foto: Ednilson Aguiar/ O Livre)

No caso dos bancos, segundo a pesquisa, o operador do caixa corre 69% de chance de ser contaminado. Mas se o local de trabalho for um supermercado, esse risco cai para 66%.

O hábito do brasileiro de pagar as compras com o cartão e o fato de a maioria dos supermercados ter máquinas disponíveis de uma forma que evita o contato do funcionário – o próprio cliente coloca o cartão na máquina – pode ser uma explicação para a diferença.

Nos bancos, o profissional atrás do caixa costuma compartilhar canetas e pegar m dinheiro e recibos que também foram tocados pelo cliente.

Quer ver outras profissões – em especial as do setor da saúde – que correm mais risco? Acesse a reportagem da CNN Brasil.

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorHomem furta filhote de cachorro e o mata com facada
Próximo artigoHomem tem “nudes” e número de telefone divulgados em site de prostituição