Você sabe como é elaborado o Enem? Testes avaliam até se é fácil acertar “no chute”

Um banco de questões é guardado a sete chaves e tudo que envolve a prova é sigiloso

Mesmo quem nunca fez o Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) pode já ter respondido questões que caíram ou cairão na prova. Testar as questões com estudantes é uma das etapas de elaboração do questionário que vale uma vaga no ensino superior.

Os estudantes que testam essas perguntas não ficam sabendo disso. Como todo o restante do processo de criação da prova, essa etapa é sigilosa.

Com o teste, os organizadores do Enem avaliam a dificuldade da questão e até a probabilidade de um estudante acertar a resposta “no chute”.

Uma vez aprovada, a questão passa a fazer parte do Banco Nacional de Itens (BNI).

As perguntas são elaboradas por especialistas selecionados pelo Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep).

E elas não nascem do acaso. Esses profissionais têm que se basear em uma matriz de referência, seguir um guia de elaboração e o que é produzido por eles ainda passa por uma revisão.

Só depois disso é que a questão é testada com estudantes.

LEIA TAMBÉM

O Enem começa a ser aplicado neste domingo (3). Mais de 5 milhões de pessoas devem fazer as provas de Ciências Humanas, Linguagens e Redação.

O exame continua no dia 10, com provas de Matemática e Ciências da Natureza.

A prova de redação é a única subjetiva. As demais 4 provas terão 45 questões de múltipla escolha cada.

Ultrassecreto

Entrar no Banco Nacional de Itens é para poucos. O protocolo de segurança é rigoroso e envolve a assinatura de termos de sigilo, por parte dos servidores públicos, e acesso via identificação das digitais.

O ambiente é completamente isolado, sem acesso à internet e até mesmo à intranet do Inep.

Todo o processo de captação, elaboração e revisão das questões que compõem o Enem ocorre nesse espaço.

E não se sabe ao certo quantas questões compõem o banco. Mais uma informação que é sigilosa.

Revisão

Neste ano, o Inep decidiu revisar as questões contidas no BNI. A autarquia criou uma comissão para definir o que não seria usado no Enem 2019.

De acordo com nota publicada pela autarquia, a comissão deveria “identificar abordagens controversas com teor ofensivo a segmentos e grupos sociais, símbolos, tradições e costumes nacionais”.

Questões enquadradas nesses critérios deveriam receber uma recomendação para não serem usadas no exame. Nenhuma delas, segundo Inep, vai ser excluída do BNI – já que o processo de elaboração é longo e caro.

A comissão concluiu o trabalho no começo de abril. E pelo caráter sigiloso do BNI, o resultado não foi divulgado.

Mudanças na prova

Apesar da medida, o presidente do Inep, Alexandre Lopes, afirmou que o Enem não deve sofrer mudanças substanciais, já que as questões que serão usadas no exame deste ano “já estavam no banco de itens”.

A única orientação da atual gestão, segundo ele, foi “evitar polêmicas”.

Ministro da Educação, Abraham Weintraub disse que o Enem terá como foco conhecimentos objetivos e que a preocupação do MEC será selecionar os melhores alunos.

“Não vai cair ideologia. A gente quer saber de conhecimento científico, técnico, de capacidade de leitura, de fazer contas, de conhecimentos objetivos”, ele disse.

Tanto o presidente do Inep, quanto o ministro da Educação garantiram que não tiveram acesso ao exame.

(Com informações da Agência Brasil)

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorFrases da semana: presidente lamenta atitude do filho e faxineira de túmulos aproveita o feriado para ganhar dinheiro
Próximo artigoHomem espanca e estupra garota de programa e quase é linchado

O LIVRE ADS