VLT x BRT: quem vai pagar a conta do plebiscito?

Uma votação como esta custaria cerca de 3 milhões de reais aos cofres públicos

Ednilson Aguiar/ O Livre

A proposta de se fazer um plebiscito para a população decidir se quer o VLT ou o BRT como modal de transporte na região metropolitana de Cuiabá e Várzea Grande não é nova. Mas, você sabe quanto custará?

Segundo o vereador Dilemário Alencar (Podemos), o valor seria de aproximadamente R$ 3 milhões. Para se chegar a esta estimativa, ele atualizou a tabela do Tribunal Regional Eleitoral (TRE) que leva em consideração vários itens, entre eles o uso das urnas eletrônicas, a contratação de fiscais e ainda o tempo de televisão para a defesa dos dois pontos conflitantes.

A partir da avaliação, o vereador chegou a um custo por eleitor de R$ 9,20, o que está acima do anunciado pelo próprio TRE como gasto na campanha do ano passado – R$ 5,20 por eleitor.

Processo requer uma estrutura cara e resultado tem apenas poder político. Foto: divulgação

Considerando os dois valores, podemos fazer duas contas usando como base os cerca de 420 mil eleitores em Cuiabá. Conforme as contas de Dilemário, o valor seria de exatos R$ 3.864.000,00. Já se aplicarmos o valor não reajustado e usado pelo TRE em 2020, seria R$ 2.184.000,00.

Em ambos os casos, estaríamos falando de valores na casa dos milhões, que, segundo ele, poderiam ser usados em questões mais urgentes, como a distribuição de cestas básicas e até mesmo compra de vacinas, por conta da pandemia.

Entenda o caso

Desde dezembro do ano passado, quando o governador Mauro Mendes anunciou a troca do VLT pelo BRT, o tema ganhou mais repercussão diante de questões políticas do que técnicas.

Mendes e o prefeito de Cuiabá Emanuel Pinheiro já tinham posições divergentes em vários âmbitos e a rivalidade reverberou sobre o caso.

Mauro Mendes e Emanuel Pinheiro divergem em vários temas.(Foto: Luiz Alves/Sicom Cuiabá)

Enquanto Mendes alegava falta de viabilidade econômica em se manter o projeto do VLT, Pinheiro defendia que uma decisão como esta não pode ser monocrática e precisaria ser negociada com a Capital, onde a obra está.

Em fevereiro deste ano, ele chegou a propor um plebiscito para avaliar o que a população pensa sobre o caso, porém a Assembleia Legislativa, que tem legitimidade para propor tal ação, não se convenceu da necessidade.

Agora, o plebiscito se tornou um ponto de discussão na Câmara de Vereadores de Cuiabá. Além de se questionar o valor do processo, os vereadores de oposição, que são 5 dos 25 eleitos, cobram a legitimidade do ato, tendo em vista que não é atribuição da câmara e o resultado não teria nenhum poder decisório na troca de modais, estaria restrita ao cenário político.

Leia também:

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorInércia da inércia
Próximo artigoEmpresário é preso por associação criminosa de roubo de carga e desmanche de caminhões