VLT demoraria o triplo do tempo para conclusão, em comparação com o BRT

O BRT pode ser entregue aos moradores de Cuiabá e Várzea Grande em dois anos após início da implantação

Ednilson Aguiar/ O Livre

Estudo técnico aponta que a população esperaria o triplo do tempo pela conclusão do modal de transporte caso fosse concluída a obra do Veículo Leve sobre Trilhos (VLT), em vez da implantação do Ônibus de Trânsito Rápido (BRT).

O BRT pode ser entregue aos moradores de Cuiabá e Várzea Grande em dois anos após início da implantação, enquanto VLT demoraria ao menos seis anos.

Além dessa estimativa de conclusão, a obra do VLT está seis anos atrasada, já que deveria ter sido entregue para a Copa do Mundo de 2014, por isso, avaliar o tempo de disponibilização do transporte é importante para “mitigar” o prejuízo para a sociedade.

O laudo leva em consideração o prazo para uma nova licitação das obras do VLT, já que há impossibilidade de contratação do mesmo fabricante do material rodante, já que a empresa foi considerada inidônea pelo Poder Público. Também considera as referências de tempo de obra do Tribunal de Contas da União (TCU), e ainda que não há mais do que três quilômetros de trilhos prontos.

“O Laudo de Análise Técnica de Engenharia, elaborado pela Caixa, relativo ao empreendimento, informa que a bibliografia relativa ao modal VLT alude a uma velocidade média de implantação de do sistema de 4 a 5 km por ano. Como o empreendimento em questão tem 22 km, o prazo estimado para a conclusão seria superior a 5 anos, em condições ditas ótimas, prazo bastante superior ao estimado de 24 meses”, diz trecho do Acórdão nº 119/2019 do TCU.

Conflito regulatório

Conforme o estudo técnico, outro fator que impactou na decisão do Governo do Estado é que a possível implantação do VLT implicaria diretamente no sistema de transporte coletivo urbano pactuado entre o município de Cuiabá, e concessionárias, pelo prazo de 20 anos.

“Isto porque demandaria recursos financeiros para indenizações às concessionárias por investimentos realizados, o que consta nos editais de licitação publicados pelo Município […]”.

Pesam ainda a necessidade de elaboração do plano metropolitano, as indenizações para as concessionárias, e a estrutura de garantia para a cobertura dos déficits mensais de que o Governo deveria dispor, caso optasse pela conclusão do VLT.

Os estudos foram elaborados pelo Governo de Mato Grosso e pelo Grupo Técnico criado na Secretaria Nacional de Mobilidade Urbana. O Governo pediu a mudança de modal ao Ministério do Desenvolvimento Regional, com base nas irregularidades encontradas no contrato do VLT, o tempo de conclusão das obras, o valor a ser investido, e o valor da tarifa final para o cidadão. (Com Assessoria)

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anterior551 mil testes em 2020
Próximo artigoArcanjo vistoria seu shopping