Vítima de assédio diz que pediu ajuda a PMs e ouviu que “não tinham nada a ver com isso”

Ela afirma que policiais disseram para ela resolver com o acusado de assediá-la

Ilustrativa/Reprodução Internet

Uma mulher de 38 anos denunciou nesse domingo ter sido vítima de assédio sexual de um amigo após aceitar carona dele para ir a um posto de combustível na Avenida Miguel Sutil, no Bairro Areão, em Cuiabá.

Além do assédio, porém, a vítima ainda teria sido constrangida ao tentar pedir ajuda à polícia. Ela afirmou ter sido esnobada por dois policiais militares.

Segundo relato da mulher, ela estava em uma casa noturna quando encontrou o amigo, que a ofereceu carona para ir até um posto e ela aceitou.

Durante o trajeto, porém, o amigo começou com conversas que a incomodaram e queria mudar o caminho, tentando forçá-la a ir para a casa dele, mas ela seguiu pedindo que ele apenas a levasse para o posto.

A mulher afirmou à polícia que o suspeito insistiu e a assediou durante todo o caminho, causando-lhe desconforto.

Quando chegaram no posto, então, ela viu uma viatura da Polícia Militar e resolveu pedir ajuda, explicando o que havia acontecido.

Para a surpresa dela, porém, os dois policiais, segundo a vítima, “a esnobaram”, disseram “que não tinham nada a ver com isso” e que “era para resolver com o motorista”, que era o acusado de assédio.

Diante da recusa dos militares de ajudá-la, a mulher procurou a Polícia Civil e registrou um boletim de ocorrência por assédio sexual e preservação de direito.

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorAuxílio emergencial é a única renda de 36% da população que recebe o benefício
Próximo artigoEmpresário nega fraude, mas admite falhas em sistema de atendimento do Ganha Tempo