VI de R$ 18 mil é mantida (por enquanto)

Justiça negou provimento a uma ação popular que pedia a anulação da sessão em que os vereadores de Cuiabá aprovaram aumento

Juiz da Vara Especializada em Ação Civil Pública e Popular, Bruno D’Oliveira Marques, julgou improcedente o pedido para anular as sessões extraordinárias em que os vereadores de Cuiabá aprovaram o aumento de 100% da verba indenizatória. A decisão foi dada na terça-feira (2).

A partir de janeiro de 2022, a verba indenizatória de cada um dos 25 vereadores de Cuiabá será de R$ 18,5 mil. O projeto já foi sancionado pelo prefeito Emanuel Pinheiro (MDB).

Uma ação popular foi ajuizada pelo advogado Elvis Crey Arruda de Oliveira. Ele  questionava a moralidade da medida e cobrava a nulidade dos projetos de leis que resultaram no aumento.

O magistrado entendeu, entretanto, que a ação popular é mecanismo constitucional para combater prejuízos aos cofres públicos, promover a defesa do meio ambiente e do patrimônio histórico, não existindo nenhuma previsão legal para nulidade de leis eventualmente julgadas inconstitucionais.

Muito embora a preocupação dos autores com situação social atual não seja desarrazoada, o pleito de anulação de lei municipal ordinária sob o pálio de alegações genéricas de ofensa à moralidade não se enquadra no escopo prescrito para a ação popular”, diz o juiz num dos trechos da decisão.

Vale lembrar que uma Ação Direta de Inconstitucionalidade (Adin) – proposta pelo Ministério Público de Mato Grosso – também questiona a legalidade do aumento da verba indenizatória. Esse, sim, deve ser considerado pela Justiça o meio correto para a questão.

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorTJMT cassa indenização de R$ 100 mil por morte de criança no PS de Cuiabá
Próximo artigoPandemia: Juíza diz que demissões ainda podem ser evitadas