Vereadores instalam CPI para apurar sonegação de R$ 300 milhões

Foco de investigação são empresas de empréstimo e leasing suspeitas de recolher o ISSQN abaixo do estimado pelo porte econômico

(Foto:Ednilson Aguiar/ O Livre)

A Câmara de Cuiabá instaurou uma Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) para apurar indícios de sonegação de R$ 300 milhões por empresas intermunicipais.  

O foco da investigação são instituições financeiras, com serviços de empréstimo, leasing e franchise que estariam declarando o ISSQN abaixo do estimado pelo porte e o ramo de atividade econômica delas. Os desvios teriam ocorrido ao longo de cinco anos. 

“São estimados uma ordem R$ 300 milhões, que são de direito de Cuiabá e as empresas estão passando para outros municípios. É um dinheiro que resolveria algumas situações urgentes da nossa cidade, com proporção de grande investimento”, disse o presidente da comissão, vereador Chico 2000 (PL). 

A investigação, nomeada CPI da Sonegação Fiscal, tem 120 dias para apurar as suspeitas de fraude e apresentar o relatório, mas prazo pode ser duplicado. Também compõem a comissão os vereadores Marcus Brito (PV) como relator e Demilson Nogueira (Progressistas) como membro.  

Eles têm como suplentes Eduardo Magalhães (Republicanos), Cezinha Nascimento (PSL) e Sargento Joelson (Solidariedade). 

Uma investigação semelhante já havia sido proposta em novembro de 2019. A comissão chegou a ser instalada, mas os serviços foram interrompidos no começo de 2020 por causa da pandemia do novo coronavírus. 

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorTCE barra contrato de R$ 4,2 milhões na Prefeitura de Tangará da Serra
Próximo artigoProbabilidades Grammy 2021: quem tem mais chances de levar um prêmio?