Verdades e mentiras das eminências pardas

(Foto: Assessoria/Senado)

Nossos homens públicos não dizem “Você é um mentiroso”, quando xingam uns aos outros. Dizem: “Vossa Excelência está faltando com a verdade”, este delicado eufemismo para mentira.

Na semana passada, no programa Sem Papas na Língua, da Universidade Estácio de Sá & Rádio Bandnews Rio, que faço semanalmente há alguns anos com o jornalista Ricardo Boechat, tratamos da etimologia destas palavras  e expressões. O programa pode ser ouvido ou bisbilhotado clicando aqui.

Na ocasião, lembramos aos ouvintes que é Veritas, verdade em latim, o lema da prestigiosa universidade Harvard, nos EUA, onde fez um curso emblemático de especialização em Direito o ex-juiz e agora ministro Sergio  Moro, conhecido nacional e internacional por seu empenho em descobrir a verdade por trás de mentiras, contando com delações de eminências pardas que ajudaram seus chefes a montar uma rede de corrupção para lavar dinheiro, causando extraordinários prejuízos  ao povo brasileiro que diziam representar, defender e proteger.

Grande e estranho é o mundo, como diz o título do romance do peruano Ciro Alegría sobre a luta dos índios contra os poderes locais, que, auxiliados pelos EUA, querem destruí-los.

Hoje, os investidores, sobretudo estrangeiros, estão também empenhados em moralizar os contratos, do contrário como investir? Os velhos métodos da corrupção causam-lhes problemas insuperáveis.

Ocorre que a estátua do fundador da Universidade Harvard, o pastor inglês John Harvard, bacharel em Artes, filho de um açougueiro e sobrevivente de uma peste bubônica que dizimou sua família e o fez migrar para os EUA, onde morreu de tuberculose aos trinta anos, é conhecida como a estátua das três mentiras, a saber:

  1. Ele não foi o fundador da college, nome inglês para faculdade, que então mudou para university; ele apenas doou cerca de quinhentos livros à instituição.
  2. A inscrição na estátua informa que a universidade foi fundada em 1638,  mas a data correta é 1636.
  3. John Harvard não está representado na estátua. O escultor Daniel Chester French criou a figura dois séculos depois,   utilizando de modelo um aluno chamado Sherman Hoar.

Lemas de outras universidades ensejam outras reflexões. O lema da maior universidade brasileira, a USP, é Sciencia vinces  (Vencerás pela ciência). As universidades tradicionais, como é o caso da Harvard,  nasceram de cursos de Teologia, sem contar que até o século XVIII era o Latim a língua da ciência, como é agora o Inglês desde há algumas décadas.

Não se estranhem tantos lemas em latim nas universidades, uma vez que palavras, frases, provérbios e expressões latinas estão presentes em muitas outras instituições referenciais.

O lema de São Paulo,  potência econômica do Brasil, é Pro Brasilia fiant eximia (Pelo Brasil sejam feitas as melhores coisas) e o do município de São Paulo é Non ducor duco (Não  sou conduzido, conduzo). 

Soa quase deboche o lema do estado Rio de Janeiro, onde os governadores mais recentes estão presos ou já estiveram presos, em ações em que se destacaram outros juízes, como é o caso de Marcelo Bretas: Recte rem publicae gerere  (Gerir a coisa pública com correção). Sérgio Cabral Filho e Luiz Fernando de Souza, o Pezão, antecessor e sucessor, respectivamente, estão na cadeia. E  o casal de ex-governadores Anthony Garotinho e Rosinha Garotinha também já ficaram atrás das grades.

A verdade, porém, é difícil de descobrir, ainda mais depois que se tornaram tão complexas as ferramentas para ocultá-la. Mesmo por trás de intenções tão bonitas como os lemas, às vezes estão escondidas inverdades ou deslavadas mentiras, associadas preliminarmente a más intenções de roubar, corromper e lavar dinheiro nos projetos de vida de muitos políticos brasileiros, que inclusive formaram dinastias e organizações criminosas para atingir seus fins.

Que as eminências pardas que hoje assessoram o presidente Bolsonaro se mirem nas eminências cujos cabelos brancos podem atestar que mentir prejudica a todos.

Os três erros na estátua de John Harvard não foram cometidos para enganar a ninguém, não são crimes. Sabemos que, por esperteza adicional, também a semântica vem sofrendo apropriações indevidas que procuram misturar erro, pecado e crime num balaio só. Não. As três são coisas bem distintas.

De resto, a eminência era cinza na origem, porque esta era a cor do hábito do frade que assessorava o cardeal Richelieu, que, por sua vez, mesmo vestindo vermelho ou púrpura,  a cor da hierarquia católica, era a eminência parda do rei francês Luís XIII.

Como no Brasil os pardos são uma categoria para definir as etnias brasileiras pelo IBGE – os pardos são a segunda em número, só perdendo para os brancos-  e no escuro todos os os gados são pardos, tornou-se indispensável aparelhar-se melhor  para discernir a verdadeira cor e sobretudo a verdade, como garante o Evangelho de São João: “conhecereis a verdade e ela vos libertará”.

No caso do Brasil, está libertando os humildes, as vítimas, e encarcerando os soberbos, como diz outro belo trecho bíblico do Novo Testamento,  o Magnificat.

É impressão  deste escritor e professor ou os evangélicos brasileiros preferem citar mais o Antigo Testamento em suas homilias pelas redes de televisão?

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorPrazo para inscrição no Sisu termina neste domingo
Próximo artigoMarcos Faleiros: audiências de custódia podem interromper carreiras criminosas