Vendas online: Centro-Oeste tem alta de 15% no primeiro trimestre de 2022

No ranking regional, o Centro-Oeste ficou em terceiro lugar nas vendas online

Imagem Ilustrataiva (Foto: Assessoria)

O Centro-Oeste registrou um bom crescimento nas vendas realizadas pelo e-commerce: o primeiro trimestre do ano (janeiro a março) teve alta de 15,81%. Considerando a mesma base de comparação, o faturamento também expandiu: 12,01%.

Os dados são do índice MCC-ENET, levantamento desenvolvido pela Neotrust | Movimento Compre & Confie em parceria com o Comitê de Métricas da Câmara Brasileira da Economia Digital (camara-e.net).

No ranking regional, o Centro-Oeste ficou em terceiro lugar nas vendas online, sendo o Norte (27,02%) e o Nordeste (22,79%) as duas primeiras colocadas e Sul (14,36%) e Sudeste (9,03%), as duas últimas posições.

“É um resultado muito significativo, pois o volume de vendas do ano passado foi expressivo e com recorde, até então, nas vendas não presenciais”, afirma Gastão Mattos, responsável pela Divisão de Varejo Online da camara-e.net.

Outro indicador de destaque, segundo ele, foi a penetração das vendas online brasileiras em relação ao total do varejo: em fevereiro esse tipo de vendas atingiu 12,4% na média móvel dos últimos 12 meses, o maior valor do histórico medido desde janeiro de 2018.

Vendas online no Centro-Oeste

Quando a avaliação das vendas online do Centro-Oeste é referente aos meses de março e fevereiro, o crescimento foi bem significativo: 20,86%. Já na comparação entre os meses de março (2022 e 2021), a alta foi de 2,04%.

Quanto ao faturamento, quando os meses comparados são março e fevereiro, o Centro-Oeste teve alta de 21,88%. Já na análise entre os meses de março (2022 e 2021), o crescimento foi de 0,85%.

(Da Assessoria)

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorRússia envia ao Brasil 27 navios carregados com insumos agrícolas
Próximo artigo9 riscos de expor os filhos nas redes sociais