Velórios e enterros em tempo de coronavírus: veja como ficam as regras em Cuiabá

Sem velório, corpos de infectados serão levados do local da morte direto para o sepultamento ou crematório

(Foto:Ednilson Aguiar/ O Livre)

As pessoas que morreram com suspeita ou com diagnóstico de covid-19 em Cuiabá não poderão ser veladas. A norma foi editada pela Prefeitura e consta no Diário Oficial de Contas. E a sugestão aos familiares é que os corpos sejam cremados.

O objetivo é conter o avanço da doença e, por isso, uma série de tradições dessa hora de despedida não poderão ser realizadas.

Os corpos serão manuseados do local de óbito direto para o sepultamento. E não poderão ser submetidos a nenhuma técnica de conservação, como embalsamamento.

O traslado será feito com caixão lacrado e direto para o cemitério ou crematório.

Nos cemitérios de Cuiabá, aliás, os coveiros deverão usar o equipamento de proteção que já era habitual (luva e máscara), além de um avental impermeável.

LEIA TAMBÉM

Outras causas

E mesmo a família de quem morreu por outra causa, que não o coronavírus, enfrentará restrições. Nos velórios, não pode mais haver mais que 10 pessoas. A distância mínima entre elas deve ser de 5 metros quadrados.

Além disso, a despedida tem duração definida. Conforme o documento da Prefeitura de Cuiabá, o ritual deve durar, no máximo, quatro horas.

Na Capital, os velórios só podem ocorrer das 7h às 17h. Se o sepultamento não ocorrer após esse horário, as cerimônias devem ser fechadas e reabertas no dia seguinte.

“Já comunicamos todas as funerárias sobre esse procedimento, que está em vigor. É uma ação que causa desconforto, que não gostaríamos de colocar em prática, mas foi preciso para diminuirmos os riscos à saúde pública”, explica o secretário José Roberto Stopa.

Seguindo as as recomendações da Organização Mundial da Saúde (OMS), o local de realização do velório deve ser desinfectado logo após o término da cerimônia.

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

O LIVRE ADS