Veja vídeo. Interrogatório de militares é marcado por bate-boca

Foram inúmeras as interrupções com bate-rebate entre MPE e advogados

Foto: Camilla Zeni/ O Livre

Logo nos primeiros minutos da audiência para reinterrogatório dos militares acusados de participação no esquema de grampos ilegais, conhecido como Grampolândia Pantaneira, a imprensa, os advogados e a banca de juízes da 11ª Vara Criminal de Cuiabá já puderam sentir que o clima na tarde da terça-feira (16) seria de tensão.

A exaltação dos ânimos foi protagonizada, principalmente, pelo representante do Ministério Público do Estado, o promotor de Justiça Vinícius Gahyva, e pelos advogados de defesa.

Nas manifestações iniciais, o promotor do MPE falava sobre a rejeição das tentativas de delações premiadas por parte dos militares quando foi interrompido pelo advogado Francisco de Assis Rocha, que representa o coronel Zaqueu Barbosa. Para o defensor, o promotor abordava questões de mérito do processo, e, em sua análise, aquele não seria o momento adequado.

Calmo, Gahyva respondeu que não se tratava do mérito, quando foi novamente interrompido. O advogado, apontando para o juiz Marcos Faleiros, que conduzia a sessão, disse em alto tom: “estou me dirigindo ao excelentíssimo juiz”.

Na manifestação das defesas, foi a vez de o promotor interromper o advogado Francisco. “Doutor, se me permite…”, pediu. Contudo, ouviu, novamente em tom elevado: “não, eu não permito”.

Os advogados também rechaçaram as declarações do promotor, que pediu que os réus se concentrassem em depor apenas sobre os fatos contidos nos autos.

Representando o coronel Evandro Lesco, o advogado Stalyn Paniago ironizou: “Esta é a primeira vez que eu vejo o Ministério Público pedir para o interrogado não falar tudo o que sabe”. Por sua vez, o próprio juiz Marcos Faleiros afirmou que os réus poderiam falar sem reservas mentais, ou seja, trazerem ao juízo qualquer fato que acreditassem que poderia ser benéfico a eles.

Durante toda a audiência as principais tensões foram pautas nesse tema. Gahyva dizia não entender o motivo dos coronéis exporem fatos que não tinham relação com o caso, os advogados rebatiam, em tom elevado, do outro lado da sala, e o juiz sinalizava ao representante do MPE: “Isso já foi discutido durante as manifestações iniciais. Eles podem falar o que quiserem”.

Apesar das repetidas interrupções com bate-rebate entre MPE e advogados, houve dois momentos de ânimos à flor da pele.

Em um, quando passado mais de uma hora e meia de depoimento, uma advogada de Zaqueu se aproximou e, em seu ouvido, o lembrou que ele não era obrigado a responder todas as perguntas. De seu lugar, o promotor comentou que queria uma defesa como essa, que acompanha até ao banheiro.

O comentário foi considerado machista pelos demais advogados, que gritaram e até se levantaram dos lugares. Advogado de defesa do cabo Gerson Luiz Correia, Neyman Monteiro chegou a afirmar: “Você me aguarde amanhã”.

Pouco depois, o juiz encerrou o depoimento e suspendeu a sessão por cerca de 10 minutos.

Já durante depoimento do coronel Evandro Lesco, novamente um dos momentos de interrupção se sobressaiu: o promotor se levantou e, no caminho para deixar a sala, parou ao lado do advogado Stalyn Paniago. Não se sabe o que foi dito. Contudo, a defesa elevou o tom, chamando a atenção de todos e interrompendo as declarações.

Confira vídeos abaixo:

LEIA TAMBÉM

Lesco pede desculpa à família e assume armação contra desembargador
Lesco revela novas práticas de barriga de aluguel e grampos em vice-governador
Justiça ouve militares sobre escutas ilegais; Zaqueu é o primeiro a falar
Ex-comandante da PM afirma que Paulo começou grampos e Pedro Taques sabia

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorSuper-herói nacional: série de O Doutrinador estreia em setembro
Próximo artigoHomem oferece doces para atrair e estuprar criança de nove anos