Veja os 5 principais assuntos abordados por Bolsonaro na visita a Cuiabá

Presidente reuniu multidão na Capital mato-grossense e discursou para seguidores ao som de gritos de "mito!"

(Foto: Ednilson Aguiar/O Livre )

O presidente Jair Bolsonaro visitou Cuiabá nesta quinta-feira (19) para participar de um evento sobre cultivo agropecuário em terras indígenas realizado pela Fundação Nacional do Índio (Funai).  

Ele chegou por volta das 9h, fez desfile em carro, cumprimentou apoiadores, almoçou peixe no São Gonçalo Beira Rio com militares e discursou sobre assuntos debatido no Brasil, como voto impresso, desemprego, liberdade de expressão e impeachment de ministros do Supremo Tribunal Federal (STF). 

O LIVRE separou as principais falas do presidente sobre os assuntos: 

1. Desemprego na pandemia 

“Eu avisei que se devia tratar do vírus [da covid-19] e do desemprego de maneira simultânea e com a mesma responsabilidade. Fui massacrado pela mídia. Tá aí a conta pra pagar [desemprego na casa de 14 milhões de pessoas]. Querem me culpar agora? Nós evitamos que um mal maior ocorresse no Brasil com o auxílio emergencial. Nós fizemos nossa parte”. 

2. Embate com ministros do STF 

“Todos nós, dos três Poderes – Executivo, Legislativo e Judiciário -, não somos os donos do Brasil. Todos nós temos que ter limites. Não se pode abrir um processo contra o presidente da República sem ouvir o Ministério Público. Isso é ditatura [referência ao ministro Alexandre de Moraes]. Quem haje dessa maneira, não é digno de estar dentro daquela Corte [Supremo Tribunal Federal]”. 

(Foto: Ednilson Aguiar/O Livre )

3. Voto impresso  

“Me submeto a qualquer processo, sem problema. Já se estipula até pena pra mim, por ser contra atualmente à maneira de fazer eleições. Temos dois pareceres da Polícia Federal dizendo que as urnas [eletrônicas] não são auditáveis. Tem um inquérito na PF dizendo que hackers ficaram lá dentro [da urna] por oito meses”. 

4. Liberdade de expressão 

“Não pode o corregedor do TSE [Tribunal Superior Eleitoral], ministro [Luis Felipe] Salomão, simplesmente dar canetada pra blogs [a favor do governo] não serem monetizados [receber dinheiro do governo federal]. Se a ‘ditadura branca’ chegar pra valer, vocês da impressa não vão ser poupados. Não podemos abrir mão do nosso direito, da nossa liberdade de expressão, de questionar, de ter opinião diferente do senhor Salomão lá do TSE ou do senhor Alexandre, do STF”. 

5. Produção no campo 

“Se o campo sucumbir, a cidade vai sucumbir também, vamos preservar o campo. A questão de terras indígenas, dos Yanomami, eles têm que ter o direito de trabalhar essa terra. A questão dos quilombolas é mesma coisa. Os nossos irmãos índios querem cada vez mais o que queremos. Eles querem progresso, desenvolvimento, eles querem deixar de receber esmola do Estado”.

(Foto: Ednilson Aguiar/O Livre )

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorO mercado da política: vendedores ambulantes faturam com a visita de Bolsonaro a Cuiabá
Próximo artigoCrédito e formação: indígenas pontuam o que impede o desenvolvimento agrícola nas aldeias