Veja o que disse o deputado federal preso na noite desta terça-feira

Daniel Silveira é ex-policial militar pelo Rio de Janeiro e foi eleito para seu primeiro mandato como deputado federal em 2018

(Foto: Reprodução/Redes Sociais)

A Polícia Federal prendeu, no fim da noite desta terça-feira (16), o deputado federal Daniel Silveira (PSL-RJ) por ordem do ministro Alexandre de Moraes, do Supremo Tribunal Federal (STF).

Silveira, que já era investigado nos inquéritos das fake news e dos atos antidemocráticos,  foi acusado de ter ofendido e ameaçado ministros do STF.

O mandado de prisão teve como base um vídeo divulgado por ele nas redes sociais. Na gravação, o parlamentar faz apologia ao AI-5 – instrumento de repressão mais duro da ditadura militar -, defende o fechamento do Supremo e cita nominalmente seis ministros: Edson Fachin, Alexandre de Moraes, Luís Roberto Barroso, Gilmar Mendes, Marco Aurélio Mello e Dias Toffoli.

Depois do mandato expedido pelo ministro, o deputado foi conduzido para a Superintendência da Polícia Federal no Rio de Janeiro. Antes disso, no entanto, publicou mais uma mensagem nas suas redes sociais. Citou sua imunidade parlamentar para dizer o que pensa, a tese que também tem sido usada pela sua defesa.

“Aos esquerdistas que estão comemorando, relaxem, tenho imunidade material. Só vou dormir fora de casa e provar para o Brasil quem são os ministros dessa Suprema Corte. Ser ‘preso’ sob estas circunstâncias é motivo de orgulho”, escreveu.

Na decisão de oito páginas, Moraes disse que a conduta do parlamentar revelasse “gravíssima” ameaça ao STF bem como ao Estado democrático de Direito.

“Imprescindível, portanto, medidas enérgicas para impedir a perpetuação da atuação criminosa de parlamentar, visando lesar ou expor a perigo de lesão a independência dos Poderes instituídos e ao Estado Democrático de Direito”, escreveu Moraes na decisão.

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorTrês cidades em calamidade
Próximo artigoCâmara de Cuiabá estabelece protocolos de segurança contra a covid