Veja as frases que marcaram a semana em MT

Confira as frases que foram destaques na última semana de maio e marcaram o cenário Mato-Grossense

(Divulgação)

“Está tendo homicídio e você vai desarmar quem morre, não quem mata?”

Bene Barbosa, crítico do estatuto do desarmamento, em entrevista ao LIVRE.

“Eu não sou nenhum imbecil. Se o desembargador recomendou que a Assembleia não tem poder de votar, seria uma imbecilidade a Assembleia fazer isso neste momento. Não é hora de colocar os Poderes em choque.”

Gilmar Fabris, ao colocar em plenário a votação sobre revogar a prisão do colega Mauro Savi (DEM).

“Penso que isso são malucos. Não há regime melhor que a democracia. Os males da democracia nós combatemos com mais democracia”.

Governador Pedro Taques (PSDB), sobre os caminhoneiros que pediram intervenção militar no Brasil.

“Que empresa quer parar? Trabalhando a gente não consegue pagar as contas. Por que iríamos parar? Eles falam bobeira demais para poder inverter a posição deles junto à mídia nacional”.

Eleus Vieira de Amorim, presidente do Sindicato das Empresas de Transporte de Cargas do Estado de Mato Grosso (Sindmat), criticando o governo federal ao negar locaute na greve dos caminhoneiros.

“A grande reivindicação de hoje do Congresso Nacional e da FPA é pra que a máquina pública tenha redução do seu tamanho, que possa reduzir os gastos da Câmara, Senado, Executivo, Judiciário. Pensões altíssimas no Brasil, de legislações antigas que precisam ser revistas”.

Líder do PSDB na Câmara, deputado Nilson Leitão, durante coletiva sobre a greve dos caminhoneiros na última terça-feira (29).

“Comunico que acionei as forças federais de segurança para desbloquear as estradas e estou solicitando aos senhores governadores que façam o mesmo”.

Presidente Michael Temer em pronunciamento feito na última sexta-feira (24), em cadeia nacional de rádio e TV na tentativa de desmobilizar o movimento grevista dos caminhoneiros que perdurou por dez dias.

“Nós sentamos na pista e eu comecei a filmar. Não sabia que o Exército ia reagir dessa forma. Não apareceu no vídeo, mais um dos soldados disse que atiraria até na cabeça se o pessoal não saísse”.

Manifestante que pedia intervenção militar e foi repreendido por exército. 

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

1 COMENTÁRIO

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorCom governador cassado, eleitores do Tocantins voltam às urnas
Próximo artigoTermina neste domingo prazo para pedir uso do nome social no Enem