Varejo da construção deve fechar 2021 com 28% de crescimento

Apesar dos ventos contrários e de toda a instabilidade causada pelo período eleitoral, o setor, num geral, está otimista para 2022

Foto: Ednilson Aguiar/O Livre

Em 2020, após os efeitos iniciais da pandemia, os consumidores voltaram a atenção para suas casas e a demanda por obras e reformas atingiu um alto patamar. A expectativa de crescimento no faturamento se concretizou em 2021 e deve se manter no próximo ano.

Os bons resultados, todavia, foram puxados, principalmente, por preço e não por volume. Essas são as conclusões de um compilado de estudos e pesquisas da Juntos Somos Mais, detentora do maior ecossistema de construção civil do país.

LEIA TAMBÉM

O setor ds construção civil foi mais impactado que a média na crise econômica de 2015 e 2016, quando o PIB do Brasil caiu quase 7% e o PIB da construção civil caiu aproximadamente 20% no mesmo período. Por conta disso, 92% das indústrias indicavam que 2020 seria pior que 2019. No entanto, ao final do ano passado, a percepção havia se alterado.

No mesmo passo, 89% indicaram, portanto, que 2021 seria melhor do que 2020. E à medida que o ano se aproxima do final, o otimismo se sustenta. Para 67% das indústrias, o faturamento neste ano deve crescer por volta de 20%, na comparação com o ano passado.

(Foto: Suellen Pessetto/ O Livre)

“A estimativa é que o setor de materiais de construção termine o ano com crescimento de 5% em volume, mas aumento maior, por volta de 28%, no faturamento devido ao efeito da inflação do setor”, afirma Ivan Ormenesse, responsável pela área de Inteligência de Mercado da Juntos Somos Mais.

E o que esperar de 2022?

Apesar dos ventos contrários e de toda a instabilidade causada pelo período eleitoral, o setor, num geral, está otimista. O índice de confiança da FGV, em outubro de 2021, ficou em 96.1, nível mais alto desde fevereiro de 2014.

A pesquisa da Juntos Somos Mais com as indústrias participantes do seu ecossistema indica que elas esperam crescimento por volta de 10% em faturamento, sendo que 38% esperam mais que isso e outros 38% até esse percdentual.

“Historicamente, o setor da construção civil é mais impactado com as instabilidades econômicas e, apesar de 2021 não ter apresentado o mesmo crescimento que tivemos em 2020, foi um ano positivo. Os números mostram a resiliência de um setor que se adapta rapidamente e consegue crescer mesmo em momentos de adversidade”, aponta Antonio Serrano, CEO da Juntos Somos Mais.

Para 2022, a empresa trabalha com números de 11% de crescimento em receita e 2% de crescimento em volume para o varejo de material de construção.

(Com Assessoria)

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorBatmóvel de Robert Pattinson foi inspirado em Christine, de Stephen King
Próximo artigoInflação registra patamar mais alto desde 2015 e continuará sob pressão em 2022