“Vamos precisar de coletes à prova de bala”, diz deputado sobre CPI da mineração

Depois dos combustíveis, Assembleia Legislativa vai investigar suposta sonegação de impostos na mineração

(Foto: Ednilson Aguiar/O Livre)

A Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) da Sonegação Fiscal retomou os trabalhos na manhã desta terça-feira (3), na Assembleia Legislativa de Mato Grosso (ALMT). Os parlamentares, que em 2019, investigaram o setor de combustíveis, agora vão focar no setor de mineração.

Presidente da CPI, o deputado Wilson Santos (PSDB) afirmou que a comissão vai mexer com “interesses bilionários” e solicitou – em tom de brincadeira, mas demonstrando uma certa preocupação – ao presidente da ALMT, deputado Eduardo Botelho (DEM), que compre “coletes à prova de bala e capacetes de aço” para os membros da comissão.

Segundo, Wilson, a CPI vai fazer visitas in loco, porque quer conhecer de perto a realidade da mineração em Mato Grosso.

O sub-relator da CPI, deputado Carlos Avallone (PSDB), complementou o “pedido” a Botelho dizendo que os empresários e a população não aguentam mais pagar impostos, mas que os sonegadores devem ser punidos.

Sabemos que estamos tratando de máfia. Esses são assuntos delicados, porém importantes. E esta Casa não vai deixar de colocar o dedo onde for necessário”, asseverou.

Oitivas agendadas

Relator da CPI, o deputado Ondanir Bortolin, o Nininho (PSD), apresentou 17 convites a cooperativas, empresas, prefeitos e especialistas para colaborar com a investigação. A intenção é que todas as oitivas sejam realizadas até 5 de maio.

“Queremos saber dos prefeitos o que a mineração representa para seus municípios. É um segmento que está muito obscuro e que precisa ser esclarecido para a população”, argumentou.

Deputado Nininho, relator da CPI da Renúncia e Sonegação Fiscal, pretende realizar todas as oitivas até 5 de maio (Foto: Ednilson Aguiar/ O Livre)

Entre os convidados estão empresas como a Votorantim Cimentos, que tem indústria em Cuiabá e Nobres, e a Água Lebrinha, que atua em Chapada dos Guimarães. Também serão convidadas cooperativas de extração de minério como a Cooperativa de Garimpeiros do Vale do Rio Peixoto.

Outros convidados são os prefeitos de Livramento, Silmar de Souza Gonçalves, e de Poconé, Tatá Amaral, para esclarecer como funciona a mineração em seus municípios e quanto isso tem contribuído com a economia local.

“Não significa que essas empresas ou prefeitos têm algo de errado. Não queremos ser injustos com quem está trabalhando e gerando emprego. Muitos dos empresários que aqui estarão vão colaborar com nosso trabalho. Não há nenhuma acusação até o momento sobre essas empresas ou pessoas”, destacou Wilson Santos.

Mineração em evidência

Eduardo Botelho participou da reunião da CPI e afirmou que existe uma “grande expectativa” quanto ao resultado: “que isso possa criar uma nova forma de o governo evitar sonegações”.

E ele mesmo chegou a citar uma suspeita. “Tenho notícia de que, em Livramento, tem um garimpo que extrai 50 kg de outro por dia. Tem que ver quanto que o município está ganhando com isso. Às vezes o garimpo contribui com R$ 1 milhão, mas está faturando R$ 100 milhões”, ponderou.

Botelho afirma que existem suspeitas de sonegação no setor de mineração em Nossa Senhora do Livramento (Foto: Ednilson Aguiar/ O Livre)

Segundo dados apresentados pela Secretaria de Estado de Fazenda (Sefaz), o setor de mineração arrecadou R$ 12 milhões em 2019 e gerou mais R$ 7 milhões em compensação financeira.

Os municípios que receberam compensação financeira foram Nobres, Peixoto de Azevedo, Poconé, Nossa Senhora do Livramento, Nova Xavantina, Pontes e Lacerda, Matupá, Cocalinho, Barra do Bugres, Porto Esperidião e Cáceres.

Renúncia e Sonegação Fiscal

Ao final de 2019, a CPI da Renúncia e Sonegação Fiscal apresentou relatório que apontou uma possível sonegação na ordem de R$ 614 milhões por ano em Mato Grosso, no setor de combustíveis.

O resultado se deu após seis meses de trabalho da Comissão, que também identificou possíveis fraudes e adulterações praticadas no segmento. Entre os problemas no setor está a venda sem emissão de nota fiscal.

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorQuer contribuir com projetos sociais para crianças? Você pode usar a declaração do IR
Próximo artigoBotelho, o intercessor