Valdir Piran e outros cinco são presos em operação que apura desvio de R$ 10 milhões

De acordo com a Polícia, os desvios teriam sido praticados na aquisição de lousas digitais falsas que seriam entregues para escolas de educação básica

Empresário Valdir Piran (Foto:Ednilson Aguiar/ O Livre)

O empresário dono de factoring Valdir Piran é um dos presos na Operação Quadro Negro, deflagrada na manhã desta terça-feira (22) com o objetivo de investigar supostos desvios de dinheiro público do Centro de Processamento de Dados do Estado (antigo Cepromat), hoje Empresa Mato-grossense de Tecnologia da Informação (MTI).

Ao todo foram expedidos 6 mandados de prisão preventiva e 7 de busca e apreensão domiciliar, que serão cumpridos em Cuiabá (MT), Brasília (DF) e Luziânia (GO).

Além de Piran, são alvos da operação e também foram presos os ex-presidentes do Cepromat Wilson Celso Teixeira, o Dentinho, e Djalma Soares; assim como Francisvaldo Pereira de Assunção, Weydson Soares Fonteles e Edevamilton de Lima Oliveira.

As ordens judiciais partiram da juíza Ana Cristina Silva Mendes, da 7ª Vara Criminal da Capital, que decretou ainda o sequestro de mais de R$ 10 milhões, em dinheiro, imóveis e veículos de luxo.

De acordo com a Polícia, os desvios teriam sido praticados na aquisição de lousas digitais falsas que seriam entregues para escolas de educação básica.

O trabalho é conduzido pela Delegacia Especializada de Combate à Corrupção (DECCOR), em conjunto com o Comitê Interestadual de Recuperação de Ativos (CIRA) e Ministério Público Estadual (MPE).

A operação é coordenada pelos delegados Anderson Veiga, Luiz Henrique Damasceno e Bruno Lima Barcellos. Detalhes sobre os trabalhos serão passados em coletiva de imprensa, às 09h30, na Delegacia Especializada de Crimes Fazendários e Contra a Administração Pública (Defaz).

(Com assessoria)

(Atualizada às 8h17)

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

O LIVRE ADS