Vacina contra covid-19: prefeitura de Cuiabá vai apurar denúncia de pessoas que furaram fila

Vacinação em Cuiabá começou na quarta-feira (20), mas vereadora denunciou suposta fraude na lista de imunizados

(Foto: Ednilson Aguiar/O Livre)

A ansiedade para receber a vacina contra covid-19 é grande em todos os brasileiros. Com o início da vacinação no país, os profissionais de saúde que estão na linha de frente foram priorizados. Em Cuiabá, porém, a prefeitura vai investigar uma denúncia de pessoas que tenham furado a fila. A vacinação no município teve início na quarta-feira (20).

Em ofício encaminhado à Secretaria Municipal de Saúde, a vereadora Edna Sampaio (PT) denunciou a possível fraude.

“Profissionais de saúde que atuam nas unidades de terapia intensiva, com pacientes em estado grave não estão sendo vacinados. Em contrapartida, funcionários do setor administrativo estariam sendo priorizados”.

LEIA TAMBÉM

Segundo a prefeitura, foi solicitado a todos os hospitais que atendem pacientes com covid-19 que encaminhassem listas com os profissionais da linha de frente. “Esses são os aptos a se vacinarem neste momento”.

Entretanto, a suspeita é de que pessoas que não estavam listadas para receber a primeira dose tenham se vacinado. A falha pode ter ocorrido após o vazamento do link usado para agendamento da aplicação da vacina.

O vazamento foi anunciado nesta quinta-feira (21). A prefeitura informou que ainda não se sabe o que levou ao vazamento e nem se o problema ocorreu em Cuiabá ou no Ministério da Saúde, em Brasília, fonte do banco de dados. 

Uma auditoria na lista de pessoas já vacinadas deve ser feita pela prefeitura. “Caso seja identificado que pessoas foram vacinadas indevidamente, estas pessoas sofrerão sanções administrativas”, informou.

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorHomem é preso por tentar raptar filha recém-nascida em igreja de MT
Próximo artigoO STF e o índice de correção monetária de créditos trabalhistas