Usina Hidrelétrica Sinop contribui para a realização de testes na detecção do coronavírus em Mato Grosso

Com o investimento o novo espaço será capaz de testar entre 15 e 30 amostras por dia, aumentando a capacidade de realização de testes no estado de Mato Grosso.

A partir de maio, a Universidade Federal de Mato Grosso (UFMT), Campus Sinop, começará a realizar testes de detecção do novo coronavírus (Covid-19), em parceria com a Usina Hidrelétrica Sinop (UHE) e Rotary Clube. Para preparar o laboratório para o novo desafio, a Usina está custeando 50% do projeto na aquisição de equipamentos, reagentes, materiais plásticos e de proteção. Com o investimento o novo espaço será capaz de testar entre 15 e 30 amostras por dia, aumentando a capacidade de realização no estado de Mato Grosso.

Além de preparar o laboratório da instituição para atender a grande demanda de testes na região, o objetivo da parceria é auxiliar na diminuição dos atrasos no diagnóstico e permitir uma identificação precoce da doença, possibilitando um direcionamento correto por parte da saúde pública.

A coordenadora do projeto e professora da UFMT, Dr. Roberta Bronzoni, explica que que o Programa de Pós-Graduação em Ciências em Saúde do Instituto de Ciências da Saúde da UFMT, organizou um centro laboratorial para a realização dos testes de diagnóstico de SARS-CoV-2, porém necessitava do apoio. “Os equipamentos contemplados na parceria, como a Cabine de Segurança Biológica e a Autoclave são imprescindíveis para a segurança da equipe técnica envolvida, pois garantem, a adequada manipulação e descarte do material contaminado”, repassou.

Ainda segundo a professora “equipamentos de proteção individual, reagentes e materiais de consumo laboratorial para a segurança da equipe e realização dos testes também são necessários. “Com o laboratório instalado e abastecido de insumos, conseguiremos testar entre 15-30 amostras por dia”.

O diretor-presidente da Companhia Energética Sinop, Ricardo Padilha, reforça a importância da atuação do laboratório neste momento de pandemia. “Precisamos do suporte de instituições sérias como a UFMT. Identificar a doença é o primeiro passo para auxiliar no tratamento. Queremos contribuir de forma correta e planejada”, repassou.

A instituição de ensino aguarda a chegada dos equipamentos para iniciar a realização dos testes. A previsão é que em 30 dias o laboratório já esteja em pleno funcionamento.

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorJovem bate na mãe por ela não dar dinheiro para comprar “diamantes” no Freefire
Próximo artigoDéficit de leitos