Universitária que ostenta vida de luxo é suspeita de liderar quadrilha que roubava celulares

Ela usava as noções do curso de administração para gerenciar a estrutura financeira da associação criminosa

Ilustrativa/Pixabay

Apontada como uma das líderes de associação criminosa que se dedicava à receptação de aparelhos celulares roubados ou furtados, a universitária T. S. C., 23 foi presa na Operação Smart, deflagrada pela Polícia Civil nesta manhã.

De acordo com investigação de equipe da Delegacia Especializada de Roubos e Furtos de Várzea Grande (Derf-VG), ela era responsável pela função estratégica de distribuir os objetos subtraídos.

Segundo a polícia, ela usava as noções do curso de administração para gerenciar a estrutura financeira da associação criminosa, mantendo uma rede de receptadores, organizada em pastas arquivos, em ordem alfabética.

Segundo a delegada delegada titular da Derf-VG, Elaine Fernandes da Silva, a moça ostentava alto padrão de vida. “Inclusive, está construindo uma mansão em um condomínio de luxo na Capital”, disse a delegada.

A ação resultou na apreensão de 80 smarthphones, além da lavratura de 14 procedimentos na delegacia, sendo quatro prisões em flagrante e 10 Termos Circunstanciados de Ocorrência (TCO), relacionados ao crime de receptação.

A operação integra a operação Pública Salutem, desencadeada pela Secretaria de Estado Segurança Pública (Sesp-MT). Todo efetivo operacional da Derf-VG participou da ação, que contou também com o assessoramento do Núcleo de Inteligência da unidade.

Furto à Havan

As investigações iniciaram em maio deste ano, após o furto de aparelhos celulares na loja da Havan, em Várzea grande. O crime ocorreu no dia 04 de maio, ocasião em que os criminosos escalaram o telhado da empresa, invadiram a loja e subtraíram diversos aparelhos das marcas Asus, LG, Motorola, Apple e Samsung, avaliados em R$ 70 mil.

Durante as investigações, a equipe da Derf-VG descobriu a atuação do grupo criminoso, o qual atua alinhado com o mercado receptador, que encomenda a carga aos executores dos roubos e furtos. As cargas de aparelhos celulares, geralmente, são furtadas/roubadas em proximidades de datas comemorativas, nas quais os produtos de origem criminosa, são inseridos no mercado consumidor.

“No caso do furto da Havan, a carga furtada foi, certamente, receptada para ser injetada no mercado consumidor no dia das mães”, disse Elaine.

Para a delegada, identificar e responsabilizar o mercado receptador é tão, ou mais importante, quanto desarticular a associação criminosa responsável pelo roubo/furto. “É importante a sociedade se conscientizar através dos rigores da lei, sobre os danos causados pela receptação, uma vez que, um produto receptado, pode muitas vezes ter sido a causa da perda de uma vida, como em casos de latrocínio”, disse.

Elaine enalteceu o brilhante trabalho realizado pela equipe de investigadores e escrivães da Derf-VG. “Sem a dedicação e o comprometimento de todos não seria possível alcançar êxito no trabalho, que tem objetivo prinicipal de prevenir e reprimir a receptação, que traz danos, muitas vezes irreparáveis a toda sociedade”, finalizou.

(Com assessoria)

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorBalsa Ecológica deve tirar 10 toneladas de lixo do Rio Cuiabá mensalmente
Próximo artigoAeronáutica abre inquérito para apurar caso de drogas em avião da FAB