Um mês sem chuva: Cuiabá deve ter queda de temperatura, mas clima continua seco

Começou a sentir os efeitos da estiagem? Temperatura mais amena está prevista para sábado, mas não há sinal de que possa chover até lá

A última gota de chuva derramada em Cuiabá foi registrada em maio. E, embora, a previsão do tempo aponte para uma possível queda de temperaturas a partir de sábado (27), a probabilidade de chover na Capital nos próximos dias é de apenas 5%.

Maio é o mês que marca o início da estiagem em boa parte de Mato Grosso e, neste ano, não foi diferente. As altas temperaturas, alinhadas ao tempo seco, são os fenômenos que impendem a precipitação.

Segundo o Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe), em junho o índice pluviométrico em Cuiabá despenca quase 100%. O nível passa de 215 mm, em janeiro, para 15 mm em junho, julho e agosto.

(Foto: Reprodução)

Até a próxima segunda-feira (23), as temperaturas vão se manter altas em Cuiabá, como de costume. No sábado, porém, a previsão é que os termômetros registrem mínima de 19°C. Na segunda-feira (29), é possível atinjam a marca dos 16ºC.

Mas a temperatura máxima continua na faixa dos 35°C.

Enquanto as temperaturas sobem e a água não cai, os meses de estiagem também registram baixa umidade relativa do ar. O nível pode chegar a ser comparado com índices desérticos.

De acordo com Organização Mundial da Saúde (OMS), valores da umidade relativa do ar abaixo de 60% não são ideias para a saúde humana. Cuiabá já chegou a registrar nível de 11%, em anos anteriores.

E junto com os problemas respiratórios que naturalmente apareceriam por conta do tempo seco, com a estiagem, o número de queimadas aumenta. Até o momento, Mato Grosso já registrou, de acordo com o Inpe, 3,5 mil focos de incêndio entre 1º de janeiro e 22 de abril.

O número representa um aumento de 18% em comparação com o mesmo período do ano passado.

LEIA TAMBÉM

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorSem o outro lado
Próximo artigoPrefeitura de Cuiabá vai recorrer da decisão que obriga bloqueio total da cidade