Um ano de possibilidades para aprender

(Foto: Reprodução Jan Vašek por Pixabay)

Quem adivinharia que um vírus teria a pretensão de nos colocar nos trilhos forçosamente? Ele chegou devastando tudo. Veio com o objetivo maior de informar: Vocês não são poderosos. Desçam os degraus. Retirem as capas de ouro ou brilhante e as coloquem nos cientistas e em todos aqueles que não medem esforços para salvar vidas. Eles colocam em xeque-mate as suas vidas e a das suas famílias para o bem coletivo. Sim, o vírus veio para nos dizer que somos finitos e que vamos ter que obrigatoriamente aprender a lidar com a nossa finitude e a do outro. Ele veio dando ordens. Não quer saber se a sua família vive em guerra e não consegue se relacionar por um tempo maior. Não interessa. É ele que
está no comando e vocês terão que se suportar. Terão que aprender a lidar com (ou sem?) o supérfluo. Terão que aprender a duras penas a amar a si e ao próximo, mesmo não
sendo da família. Terão que aprender a valorizar os momentos que você teve e desdenhou. Não refletiu que talvez fosse o último. Terão que compreender que se um membro familiar fica impactado, todos os outros também ficarão. Terão que desenvolver uma comunicação mais respeitosa e empática. Terão que manifestar ajuda para o outro, independente de credo, raça ou cultura. Ah, e falando em crises, esse coronavírus veio pra nos alertar que elas vão surgir. As crises financeiras nos mostram de uma vez por todas que dinheiro não leva desaforo para casa e que também não compra a vida. E ele deu uma dica: não perca seu tempo retendo mágoas, tampouco ressentimentos diante de alguém. Você não saberá se terá a oportunidade de abraçá-lo e beijá-lo na despedida. Esse coronavírus é tão inteligente que veio até para nos atentar que precisamos fazer política com muita responsabilidade. Somente assim ficaremos mais atentos para o que está acontecendo e o que poderá vir a acontecer com a nossa omissão. Não adianta gritar aos quatro ventos que odeia política. Não se envolver com essas questões poderá favorecer ainda mais a corrupção e as manipulações. O coronavírus quis mostrar que para alcançar e modificar algo, a política é a principal ferramenta. Ela é um instrumento de ação primordial para que a sociedade possa passar por enfrentamentos e transformações.

É necessário e urgente lembrarmos do grande Aristóteles. Ele nos disse que todo homem precisa um do outro, que é da natureza humana viver em sociedade e que através da busca pelo bem comum é que se tem a constituição da vida pública. A política foi criada para essa finalidade, para regular os conflitos existentes na sociedade.

O vírus veio também para deixar bem claro que a política não se limita somente aos governantes, mas também a uma participação que seja efetiva e consciente de todos. Somente com políticas de prevenções é que acharemos soluções para situações emblemáticas como esta que estamos vivenciando no atual momento. Viu só? Esse coronavírus pode nos deixar mais espertos e reflexivos para entender que se quisermos,  podemos ser proativos e perceber que o mal maior que veio assolar o mundo não é somente viral, ele é, sem sombra de dúvidas, também social.

Sílvia Pilon
Psicóloga Clínica, Especialista em Terapia Sistêmica, Familiar , Conjugal e Individual .
CRP: 18/01101

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorEscolas de Cuiabá encerrarão o ano sem saber como será o calendário 2021
Próximo artigoMiss Cuiabá Plus Size 2020 acontece na noite desta segunda (14)