Um ano de pandemia: MT tem 24,5 mil pacientes à espera de cirurgias

Maior parte da fila está no interior e as intervenções necessárias abrangem mais de 800 especialidades médicas

Imagem ilustrativa

Um ano após a suspensão das cirurgias eletivas, 24,5 mil pacientes aguardam pela retomada dos serviços em Mato Grosso. A fila foi calculada pela Secretaria de Saúde de Cuiabá, que suspendeu os atendimentos agendados (eletivos) em 18 de março do ano passado. 

A demanda por cirurgias passa por 807 tipos de especialidades. A maioria dos pacientes (14.860) está no interior de Mato Grosso, concentrados nos nove hospitais regionais. Eles também representam a maior variedade de intervenções necessárias (807). 

Em Cuiabá, existem 9.643 pacientes aguardando serem chamados para a operação em 563 tipos de procedimentos.  

Nove meses de acúmulo

Em agosto de 2020, o Conselho Regional de Medicina de Mato Grosso (CRM-MT) pediu que o Sistema Único de Saúde (SUS) e a rede privada de hospitais retomassem o agendamento dos atendimentos eletivos. 

A entidade alegava que havia um “acúmulo” de 1,3 mil pacientes à espera em mais de 420 tipos de cirurgias. Somente em Cuiabá, os números atualizados pela SES representam alta de quase nove meses. 

LEIA TAMBÉM

O CRM considerava a época favorável para a retomada dos agendamentos por causa da disponibilidade de equipamentos de proteção individual (EPIs) e outros insumos hospitalares. O estoque ajudaria a cumprir as medidas sanitárias para proteção de pacientes e profissionais da saúde. 

Agora, com o agravamento da transmissão do coronavírus no Estado, a Prefeitura de Cuiabá estuda suspender novamente os atendimentos médicos eletivos, inclusive consultas. Uma prévia de um decreto vazou no domingo (14) e causou uma péssima repercussão, por isso, a decisão foi adiada.

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorLoja Giga, em Cuiabá, mudará de nome por decisão judicial
Próximo artigoSenado aprova medidas para evitar vacinação falsa